Mais informação com menos tempo de leitura
Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Visita de Ahmadinejad testa prevenção de Dilma

Josias de Souza

08/01/2012 05h08

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, inicia neste domingo um giro cinco dias pela América Latina. Em junho, virá ao Rio para o encontro internacional sobre mudanças climáticas.

Será a primeira visita de Ahmadinejad ao Brasil de Dilma Rousseff. Uma oportunidade para testar o 'pé atrás' da presidente com o autocrata que Lula afagou e chamou de companheiro.

Noticiou-se que Dilma reorientava a diplomacia. A versão espera por fatos que a comprovem. Saiu o trombone de Celso Amorim. Entrou o violino do chanceler Antonio Patriota. Mas a música é a mesma.

Em relação ao Irã, Dilma diferenciou-se de Lula em duas ocasiões. Numa, entoou um par de declarações contra o apedrejamento de mulheres. Noutra, mandou o Itamaraty votar a favor do envio de um relator especial da ONU a Teerã, para farejar violações.

Quando parecia que os direitos humanos escalariam o topo da agenda externa, o Brasil revelou-se complacente com as atrocidades do ditador da Síria, Bashar Al Assad. A pseudo-mudança virou espuma.

A propósito das incursões latinas de Ahmadinejad, o repórter Fabiano Costa ouviu o embaixador do Irã no Brasil. Chama-se Mohsen Shaterzadeh. Revelou-se um diplomata clássico. Do tipo que considera que a diplomacia, para funcionar, precisa ser macia.

Mohsen esquivou-se das cascas de banana. "As críticas da presidente não comprometeram a amizade entre os dois países", disse num trecho da entrevista. "O atual governo brasileiro é uma continuação da gestão Lula", afirmou noutra passagem.

A maciez não impediu Mohsen de reconhecer um certo incômodo de Teerã. Nada que afetasse o comércio bilateral, na casa dos US$ 2,3 bilhões, a caminho dos US$ 5 bilhões.

Na esfera política, porém, o Brasil deixou de frequentar a lista de parceiros prioritários do Irã na América Latina. Foi excluído de uma relação que inclui, segundo o embaixador, Venezuela, Cuba, Bolívia, Equador e Nicarágua.

Quer dizer: a insatisfação de Ahmadinejad com a troca de instrumentos na orquestra do Itamaraty resultou num avanço estético. Involuntariamente, Brasília foi privada de companhias molestas. Sem prejuízos à balança comercial.

Vai abaixo um extrato da entrevista com o embaixador Mohsen Shaterzadeh. Vale a leitura:

– Qual é o objetivo da visita do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, à América Latina? A viagem é basicamente uma visita a amigos. Temos muitos projetos a serem firmados com alguns governos da América Latina. Uma comitiva de empresários iranianos acompanha o presidente Ahmadinejad. Pretendemos renovar e fortalecer as relações políticas e econômicas com Cuba, Nicarágua, Equador e Venezuela.

– As relações entre Brasil e Irã esfriaram após a posse da presidente Dilma Rousseff? Não. O atual governo brasileiro é uma continuação da gestão Lula. Apesar do embargo dos EUA e da União Europeia ao petróleo iraniano, em 2011, o comércio bilateral entre Brasil e Irã ultrapassou US$ 2,3 bilhões. Além disso, temos outros US$ 2 bilhões atrelados a projetos em andamento.

– Teerã se incomodou com o voto do Brasil no Conselho de Direitos Humanos da ONU a favor da nomeação de um relator especial para o Irã? O governo iraniano demonstrou um pouco de insatisfação. No entanto, consideramos o voto brasileiro característico de um país independente. Temos certeza que o Brasil não jogará no terreno dos EUA.

– As reiteradas críticas de Dilma contra o apedrejamento de mulheres desagradaram o governo iraniano? Em uma tentativa de promover uma propaganda contra o regime de Teerã, os meios de comunicação ocidentais venderam outra imagem desta mulher iraniana condenada à morte por adultério, a Sakineh Ashtiani. Após as declarações de Dilma contra a condenação, esclarecemos o assunto com as autoridades brasileiras. Acredito que essa questão está sanada. As críticas da presidente não comprometeram a amizade entre os dois países.

– Em uma entrevista durante o governo Lula, o senhor disse ver afinidades políticas entre o ex-presidente brasileiro e Ahmadinejad. O senhor considera que há afinidades entre Dilma e o chefe de Estado do Irã? O eixo de cooperação entre Brasil e Irã não se alterou no governo Dilma. Os dois países acreditam em justiça social, eliminação da pobreza e são contra atos cruéis e opressivos pelo mundo. As duas nações também pedem a reforma do Conselho de Segurança da ONU e têm propostas inovadoras para a paz no Oriente Médio. É óbvio que temos nossas diferenças, como nos aspectos culturais, mas os pontos de convergência são maioria.

– No entanto, os dois países têm visões distintas em torno dos direitos humanos… Brasil e Irã enxergam o tema com o mesmo olhar. Ambos países acreditam que essa pauta não deve servir de instrumento político. O conceito de direito humanos tem de considerar a cultura e os costumes de cada povo. É natural que os costumes no Brasil sejam diferentes dos nossos, assim como são dos japoneses e dos italianos. A visão sobre os direitos humanos não deve ser a mesma dos EUA. É fundamental que a cultura de cada país seja respeitada.

– Atualmente, quem são os parceiros prioritários do Irã na América Latina? Temos um intercâmbio comercial maior com o Brasil. Porém, nossos principais projetos de cooperação hoje estão vinculados a cinco países: Venezuela, Cuba, Bolívia, Equador e Nicarágua, nesta ordem. Investimos nessas nações aliadas em fábricas de automóveis, cimento, tratores e produção petroquímica, entre outros setores.

– O governo iraniano ainda defende um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU para o Brasil? Claro. Não mudamos nossa opinião, enfatizada durante a visita do presidente Ahmadinejad ao Brasil, em 2009. Nós enfrentamos as mesmas dificuldades que o governo brasileiro no sistema político multilateral.

– Na sua avaliação, houve uma guinada na política externa brasileira no governo Dilma? Seria melhor fazer essa pergunta para os analistas brasileiros. O Irã, entretanto, está convencido de que a política externa de Dilma é uma continuação da do ex-presidente Lula.

– Como Teerã vê a reaproximação do Planalto com a Casa Branca? Respeitamos as políticas de qualquer país. O Brasil tem de seguir sua trajetória conforme seus interesses. No entanto, o governo iraniano é contra as políticas expansionistas e repressoras dos EUA ao redor do mundo. Teerã é contra a política repressiva e cruel imposta pela Casa Branca.

– Atualização de 9h34: Aqui, detalhes sobre a viagem iniciada neste domingo (8) pelo presidente iraniano.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.