PUBLICIDADE
Topo

Como FHC, Dilma injeta BNDES na privatização

Josias de Souza

20/01/2012 19h05

Devagarinho, o governo vai convertendo em pantomima o discurso antitucano do PT. Sob Dilma Rousseff, Brasília mimetiza a gestão FHC. Reproduz na prática o que o petismo critica na teoria.

Primeiro, Dilma decidira entregar à iniciativa privada aeroportos que o Estado não consegue gerir. Vão ao martelo as instalações de Brasília, Guarulhos e Campinas.

Agora, Dilma autoriza o bom e velho BNDES a imprimir suas digitais na operação. Em nota, o bancão oficial informou: vai financiar as concessões dos aeroportos em até 80%.

Quer dizer: a exemplo que que ocorrera na administração tucana, as privatizações petistas farão escala nas arcas do Estado. O apelido é outro: concessão. O modelo, idêntico.

No total, Campinas exigirá investimentos de R$ 8,71 bilhões. Guarulhos, R$ 4,66 bilhões. Brasília, R$ 2,83 bilhões. Tudo isso com o empurrão dos 80% da Viúva.

Nas pegadas da novidade, o governo anunciou o repasse de novos R$ 10 bilhões ao BNDES. Para prover a verba, o Tesouro foi autorizado a emitir títulos públicos. Com isso, completou-se o repasse de R$ 55 bilhões autorizado no ano passado.

Nos últimos três anos, o Tesouro derramou no BNDES notáveis R$ 235 bilhões. O dinheiro jorra à margem do Orçamento da União, sem a fiscalização do Legislativo.

Sob o discurso histriônico do PT, o governo petista desenvolveu um método eficaz de cooptação. Por baixo, compra o apoio de congressistas com cargos e verbas. Pelo alto, contrata a simpatia da plutocracia com empréstimos companheiros.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.

Josias de Souza