PUBLICIDADE
Topo

Em 2001, Lula culpou governo por greve da PM

Josias de Souza

04/02/2012 20h28

Há 11 anos, a Bahia viveu drama parecido com o que eletrifica o Estado há cinco dias. Uma greve da Polícia Militar fez subir as estatísticas criminais. Uma onda de saques e arrastoões ateou pânico nas ruas de Salvador.

Corria o ano de 2001. Governava a Bahia César Borges. Filiado ao PFL (hoje DEM), integrava o grupo político de Antonio Carlos Magalhães. Enfrentava oposição renhida do PT. Inclusive do então deputado federal Jaques Wagner.

Nessa época, Lula era candidato a sucessor do tucano Fernando Henrique Cardoso na Presidência da República. Em campanha na cidade gaúcha de Santa Maria, foi instado a comentar a greve dos policiais baianos. Responsabilizou o governo pefelê pela desordem:

"Acho que, no caso da Bahia, o próprio governo articulou os chamados arrastões para criar pânico na sociedade. O que o governo tentou vender? A impressão que passava era de que, se não houvesse policial na rua, todo o baiano era bandido. Não é verdade."

Lula injetou política na confusão: "Os arrastões na Bahia me lembraram os que ocorreram no Rio em 92, quando a Benedita [da Silva] foi para o segundo turno [nas eleições para a prefeitura]. Você percebeu que na época terminaram as eleições e, com isso, acabaram os arrastões? Faz nove anos e nunca mais se falou isso."

O Lula de 2012, às voltas com o tratamento contra um câncer na laringe, ainda não disse palavra sobre a greve que tisna a administração petista do amigo e ex-ministro Jaques Wagner. O Lula de 2001 não hesitou em apoiar os grevistas:

"A Polícia Militar pode fazer greve. Minha tese é de que todas as categorias de trabalhadores que são consideradas atividades essenciais só podem ser proibidas de fazer greve se tiverem também salário essencial."

Traçou uma analogia entre o Brasil e a Suécia: "Se considero a atividade essencial, mas pago salário micho, esse cidadão tem direito a fazer greve. Na Suécia, até o Exército pode fazer greve fora da época de guerra."

César Borges, hoje filiado ao PR, reagiu assim às críticas: "Além de falar muita besteira, Lula demonstra que está completamente desinformado. Foram deputados petistas que insuflaram a greve e, depois, quando perceberam que o movimento estava fora de controle, procuraram o governo para abrir um canal de negociação."

Líder do movimento grevista que atormenta a Bahia há cinco dias, o soldado Marco Prisco corrobora agora a versão difundida por César Borges em 2001. Afirma que o então deputado Jaques Wagner ajudou a montar o esquema de financiamento da greve de 11 anos atrás.

Em entrevista concedida neste sábado (4), Jaques Wagner enxergou as digitais dos grevistas na onda de violência: "Parte dos crimes pode ser parte da própria operação montada. A tentativa de criar um clima de desespero para fazer a autoridade do governo do Estado sucumbir ao movimento."

Acrescentou: "É tentativa de guerra psicológica. Parte disso é cometida por ordem dos criminosos que se autointitulam líderes do movimento. […] Não é possível que governadores sejam ameaçados por policiais com arma em punho".

O antecessor César Borges dizia coisa muito parecida: "Houve uma ação deliberada de um grupo para implantar o terror na Bahia, para mostrar que a greve da PM tinha adesão total. Não acredito que a iniciativa dos saques e arrastões tenha partido do povo baiano, que é pacato e ordeiro. Havia, no movimento, muitos radicais, policiais que não merecem vestir a farda.

Ontem, como hoje, a solução adotada pelo governo baiano para remediar o problema foi acionar Brasília. A exemplo do que fez Dilma Rousseff agora, FHC enviou soldados do Exército para patrulhar as ruas.

Diz-se que a história sempre se repetiu. Por uma dessas ironias que só a política pode prover, a história que se repete na Bahia é a que, no passado, o PT de Lula e Jaques Wagner consideravam pré-história. Abaixo, cenas de um saque ocorrido na sexta-feira (3), no bairro de Pirajá, na capital baiana.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.