Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Aécio: vendida como ‘gestora impecável’, Dilma revelou-se presidente de um ‘cenário desolador’

Josias de Souza

2028-03-20T12:20:07

28/03/2012 20h07

O senador Aécio Neves (MG), presidenciável do PSDB, escalou a tribuna do Senado nesta quarta (28). Apontado por seus próprios aliados como um oposicionista apático, pronunciou um discurso duro. O mais incisivo desde que chegou ao Senado, no ano passado.

Aécio dividiu o discurso em três partes: Dilma, Dilma e Dilma. Apresentou Dilma como peça de uma publicidade enganosa. Na campanha, "gestora impecável". No Planalto, uma presidente "incapaz de dar solução aos problemas" do país. "Para onde quer que se olhe, o cenário é desolador".

Tratou o governo Dilma como uma usina de malfeitorias. "Os escândalos se sobrepuseram em recorde de ministros caídos sob grave suspeição, enquanto avançou à luz do dia, sem constrangimentos, o aparelhamento partidário da máquina governamental."

Lamentou os primeiros efeitos da administração Dilma. Na economia, "a desindustrialização é um fato. Voltamos à era pré-JK, aos longínquos anos 50." O crescimento foi "o menor da América Latina." Na política, "a falta de respeito ao Congresso se transformou em marca registrada das atuais relações entre Executivo e Legislativo."

Tomada pelas manifestações públicas, disse Aécio, Dilma parece "refém do seu próprio governo." Considera a pose paradoxal: "É como se não tivesse sido a autoridade central nos oito anos da administração anterior. É como se ela não houvesse, de próprio punho, colocado de pé o atual governo, com as suas incoerências e incongruências irremediáveis".

Referiu-se com atraso às trocas ministeriais que marcaram 2011. "A mão pesada do poder da Presidência baixou sobre cada um dos suspeitos, como se não fosse a mesma mão que, antes, os nomeara e os conduzira para o governo. Aí descobrimos o inacreditável: havia ministros diversos de Lula e uns poucos de Dilma."

Sem projetos, disse Aécio, Dilma "responde estritamente às emergências, institucionalizando o regime do improviso." Enxergou um quê de teatro na reunião que a presidente promoveu com empresários na semana passada. "Ainda não se sabe ao certo a motivação".

"Se todos conhecem o problema e não há nada de novo no front, só um motivo justificaria a reunião: a mesma pirotecnia de sempre com que se pretende ocupar o vazio e disfarçar a leniência do atual governo."

Acha que, "se nada for feito para desatar os nós políticos e gerenciais que emperram a máquina pública, o Brasil vai perder a maior janela de oportunidades de sua história." Avalia que a maioria congressual de Dilma, "montada ao custo que todos conhecemos", não produziu senão interrogações.

"Onde estão as reformas constitucionais? Discutimos a recomposição do pacto federativo? Reformamos o rito das medidas provisórias? Revisamos os royalties do petróleo e do minério? Renegociamos as dívidas dos governos estaduais? Nada."

Dilma apanhou indefesa. Exceto pelas interferências de Marta Suplicy (PT-SP), que presidia a sessão e monitorava o tempo de Aécio com relógio draconiano, não se ouviu no plenário do Senado um mísero contraponto governista.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.