Mais informação com menos tempo de leitura
Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Na cadeia, Cachoeira come ‘quentinhas amigas’

Josias de Souza

26/05/2012 04h01

Numa das centenas de escutas telefônicas que o levaram à cadeia, Carlinhos Cachoeira trata dos interesses da Cial Comércio e Indústria de Alimentos. A empresa brigava na Justiça para desbancar uma concorrente, a Coral, no fornecimento de marmitas aos presos da cadeia de Aparecida de Goiânia.

No dia 9 de outubro de 2011, Cachoeira conversa com personagem identificado pela PF como Michel. A alturas tantas, o interlocutor pergunta se a Cial pertencia ao bicheiro. "Não é minha não, rapaz", ele responde. "É de amigos. É Cial. A nossa é a Cial." Em dúvida, Michel indaga: Cial ou Coral?  E Cachoeira, peremptório: "Não. É para ser a Cial. A Coral tem de levar ferro."

Por uma dessas ironias que só o acaso é capaz de produzir, Cachoeira tornou-se consumidor involuntário das quentinhas que tentou favorecer. A Cial é uma das três fornecedoras de comida para os mais de 11 mil presos da Papuda, a hospedaria carcerária em que se encontra abrigado o bicheiro, em Brasília.

Os repórteres Murilo Ramos e Marcelo Rocha descobriram um detalhe que injeta no impensável um quê de inusitado. A Cial é alvo, junto com outras 16 empresas, de uma investigação aberta há quase dois meses pela Secretaria de Direito Econômico, órgão do Ministério da Justiça.

Apura-se a suspeita de formação de cartel em contratos para o fornecimento de marmitas em presídios geridos pelo governo do Rio. Os indícios são vistosos: preços idênticos, ausência de competição e ligações entre os participantes. A administração de Sérgio Cabral diz não ter identificado malfeitos. A secretaria da pasta da Justiça entrou na encrenca porque recebeu uma denúncia.

Dono da Cial, empresa sediada em Goiânia, Frederico Valente nega participação no suposto cartel carioca. Quanto a Cachoeira, afirma que não o conhece. Admite conhecer o ex-vereador tucano Wladimir Garcez. Um dos presos da Operação Monte Carlo, Garcez também foi escutado nos grampos da PF tratando dos interesses da Cial com Cachoeira. Valente afirma que jamais pediu a Garcez que intercedesse em favor de sua empresa.

Como no Cachoeiragate as ironias jorram em cascata, a Cial tem no seu rol de clientes também o Palácio do Planalto. Fornece aos servidores do prédio onde despacha Dilma Rousseff lanches, coquetéis e refeições variadas. Já faturou na Presidência, desde 2008, R$ 27 milhões.

No governo do Distrito Federal, outro de seus clientes, a Cial corre o risco de ser classificada como "inidônea". Acusam-na de ter servido alimentos estragados e superfaturados a pacientes de um hospital público de Brasília. O empresário Valente diz que os problemas, "pontuais", já foram sanados.

Degustador de vinhos caros e frequentador de bons e caros restaurantes, Cachoeira poderia abrir uma brecha no seu direito constitucional de permanecer calado para informar que gosto tem o repasto que mastiga no 'Papuda's Inn'.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.