PUBLICIDADE
Topo

Em reação à nota do PT, PSDB enaltece o STF

Josias de Souza

15/11/2012 19h54

Um dia depois de o PT divulgar uma nota acusando o STF de julgar o mensalão politicamente e condenar sem provas, o PSDB veiculou nesta quinta (15) uma espécie de contranota. Assinado por seu presidente, o deputado Sérgio Guerra (PE), o tucanato faz rasgados elogios ao Supremo.

"…O PSDB vem a público para saudar o trabalho do Supremo Tribunal Federal que, como bem ressaltou ontem o ministro Carlos Ayres Brito em sua despedida da presidência da Suprema Corte, está mudando a cultura do país, à luz da Constituição, garantindo que a lei seja aplicada a todos, mesmo que sejam ricos ou poderosos."

Sem mencionar o documento do PT, o PSDB refuta a tese petista de que o julgamento produziu insegurança juridica. "O Supremo Tribunal Federal vem cumprindo o seu papel e tem contribuído enormemente para o fortalecimento das nossas instituições e da democracia no Brasil.
O julgamento do mensalão honra as instituições brasileiras e aponta na direção de um país mais igual, no qual a impunidade não prevalece."

Em arremate, a nota tucana declara apoio incondicional à suprema corte brasileira. "O PSDB reconhece o papel do STF e o apoia, em qualquer hipótese, no cumprimento de seu papel institucional.
Estaremos sempre ao lado daqueles que querem um Brasil mais transparente e sem privilégios."

Corre no Supremo a ação penal que trata do mensalão do PSDB de Minas Gerais. Conforme noticiado aqui, o caso é semelhante ao que envolve o PT –o mesmo operador (Marcos Valério), a mesma instituição financeira (Banco Rural) e os mesmos métodos (empréstimos simulados, para encobrir desvios de verbas públicas).

Protagonista do processo, o deputado Eduardo Azeredo (MG), ex-presidente do PSDB federal, deve ser julgado no primeiro semestre de 2013. Mantido o paradigma  que muda "a cultura do país" e garante que "a lei seja aplicada a todos, mesmo que sejam ricos ou poderosos", não são negligenciáveis as chances de condenação. Espera-se que o PSDB conserve, então, o apoio ao "papel institucional" do STF.

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.

Josias de Souza