PUBLICIDADE
Topo

Marcos Valério torna discurso do PT desconexo

Josias de Souza

16/12/2012 07h13

No filme O Exterminador do Futuro, o ciborgue Schwarzenegger é enviado ao passado para matar a mãe do único homem capaz de salvar a raça humana do domínio das máquinas. O enredo é linear: problema que não nasce no passado não tem como incomodar no futuro. Matando-se a mãe, corta-se o inimigo pela raiz.

Todo mundo já deve ter imaginado o que faria se pudesse voltar no tempo para alterar um erro, mudar um detalhe. Se lhe fosse permitido ser um Schwarzenegger de si mesmo, Lula talvez retornasse para 2003. Ao ver José Dirceu e Delúbio Soares aproximando-se de Marcos Valério, gritaria: "Vocês enlouqueceram?!?"

Em depoimento à Procuradoria Geral da República, Valério contou que, em vez de gritar, Lula balbuciou um 'ok'. Fez isso para avalizar verbalmente os empréstimos fictícios do mensalão. Depois, Lula teve despesas pessoais pagas com verbas de má origem, disse o operador do escândalo.

Quem acompanhou a reação do PT já sabe: Lula é o homem mais ético e honrado que o seu partido já conheceu. E Valério não passa de um reles condenado, um sujeito sem autoridade moral para atacar o benfeitor do Brasil. A artilharia petista não exterminou o problema. Mas transformou em pó o discurso do PT.

O que vinha dizendo o PT? Três coisas: 1) o STF rendeu-se à pressão da mídia e virou um tribunal de exceção; 2) José Dirceu, José Genoino, João Paulo Cunha e até Delúbio Soares foram condenados injustamente. 3) o mensalão não existiu. Era caixa dois.

O que passou a sustentar o PT? Duas coisas: 1) esqueçam aquele Valério genial, mago das finanças, recebido com honrarias nos gabinetes do partido e da República. O julgamento do STF fez dele um criminoso indefensável. 2) como Lula não se envolveu com esse desqualificado, os cúmplices dele no PT e no governo são outros.

Tudo muito claro, como se vê. Não podendo voltar no tempo para apagar Valério de sua história, o PT esquece o que dizia até a semana passada. E quanto a Lula? Protegido pelo escudo partidário e defendido por Dilma, ministros e congressistas, ele optou por lidar com a crise à maneira do avestruz. Fez um comentário lacônico –"é mentira"— e fugiu da realidade enfiando a cabeça na autoestima.

Às voltas com dois incômodos –além de Valério, o Rosegate— Lula parece considerar que não deve nada ao país. Muito menos explicações. Continua sendo o mesmo político honrado de sempre. Dispensa investigações. É evidente que, na Presidência, estava tão ocupado em salvar o Brasil que não teve tempo para se preocupar com detalhes.

É um alívio constatar que, em meio ao pipocar de escândalos, Lula ainda disponha de tantos anteparos providenciais. A essa altura, julgá-lo apenas pelas más companhias seria tratá-lo como um ex-presidente qualquer. E Lula é a "ética" que passou por Brasília para fazer tudo diferente.

Bem verdade que Valérios, Roses, Valdemares e outros azares não faziam parte dessa diferença. Mas deve-se relevar as distrações de Lula. Na época do escândalo, soube-se que o presidente dissera que não hesitaria em entregar um "cheque em branco" para Roberto Jefferson. Não se pode exigir de alguém tão descuidado com o talão de cheques um zelo exacerbado pela biografia.

É provável que o depoimento de Valério leve a Procuradoria da República a abrir uma investigação contra Lula. Será melhor assim. Se for levada às últimas consequências, a investigação há de demonstrar que a culpa é de Cabral.

Ou, por outra, a apuração evidenciará que Schwarzenegger teria de ser enviado a um passado bem mais remoto. Ele se postaria ao pé da rampa da famosa Arca e, à aproximação do casal de ratos, gritaria para Noé: "Não, não. Mil vezes não!"

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.

Josias de Souza