PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Caravana de Lula será pré-campanha de Dilma

Josias de Souza

11/02/2013 05h00

Em privado, Lula diz que a "caravana" que fará nos próximos meses será "parte da pré-campanha" pela reeleição de Dilma Rousseff. "Ela não pode fazer campanha, mas eu posso", afirma, referindo-se às limitações legais de sua afilhada política.

O morubixaba do PT conta que percorrerá o país "articulado" com Dilma. Já conversou com ela a respeito. Pediu-lhe que não dê ouvidos à "conversa fiada" segundo a qual ele poderia ser, de novo, candidato ao Planalto. "Não existe essa hipótese", enfatizou na semana passada a petistas que o visitaram.

Lula diz que é preciso respeitar a "simbologia" da política. Acha que, se abandonasse Dilma, deixaria de fazer sentido. "Então eu escolho uma mulher, ela faz um bom governo e eu a atropelo? Não vou fazer isso". Lula realça que a pupila está bem-posta nas pesquisas.

Mais: como que empenhado em esvaziar o balão de ensaio insuflado pelo pedaço do PT que sonha com seu retorno, Lula soa categórico: mais adiante, diz ele, "mesmo se a Dilma não estiver tão bem, eu vou me abraçar com ela."

Há cinco dias, Lula livrou-se do último resquício do tratamento do câncer na laringe. Foi liberado pela fonoaudióloga. Diverte-se ao discorrer sobre o uso que pretende fazer da voz nos deslocamentos da propalada caravana.

"Vou falar um bocado de besteira", diz Lula, entre risos. Acha que os antagonistas do PT, à frente o tucanato, morderão a isca. "Vão brigar comigo e esquecerão a Dilma."

Escorando-se na sua decantada intuição, Lula antevê o compartamento da oposição: uma parte dirá que Dilma é mais sóbria que o mentor. Outra parte dirá que o criador quer tomar o lugar da criatura. Num caso ou noutro, Dilma lucrará com a superexposição.

Lula vai prepara o flerte com os refletores num instante em que Dilma enfrenta uma conjunção de dois elementos venenosos: PIB em baixa e inflação em alta. Até onde a vista alcança, o governo está acuado. Na outra ponta, Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), potenciais adversários de Dilma, estão assanhados.

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.