PUBLICIDADE
Topo

Empreiteiras pagam viagens de Lula ao exterior

Josias de Souza

22/03/2013 07h17

Desde 2011, quando trocou a faixa presidencial pelo pijama, Lula visitou 30 países. Em treze dessas viagens, o ex-soberano recostou-se nas melhores poltronas dos aviões, hospedou-se em boas estalagens e descansou os cotovelos em mesas forradas com esmero graças à generosidade de uma tróica de empreiteiras: Odebrecht, OAS e Camargo Corrêa.

Deve-se a revelação aos repórteres Fernando Mello e Flávia Foreque. A dupla conta que, nas vezes em que deslocou-se a soldo, Lula esteve em países da África e da América Latina. Ouvido, instituto que leva o nome do ex-presidente confirmou os patrocínios. As empresas também. Mas todo mundo disse a coisa não é o que parece ser.

O morubixaba petista viaja para consolidar "a imagem e os interesses da nação brasileira", informa, por exemplo, o Instituto Lula. Presidente da entidade, o companheiro Paulo Okamotto esclarece: "na esfera internacional, o Instituto Lula tem como principais objetivos cooperar para o desenvolvimento da África e apoiar a integração latino-americana."

Considerando-se o teor de mensagens diplomáticas apalpadas pela reportagem, os "interesses da nação" estão sendo, por assim dizer, privatizados. "Ao associar seu prestígio às empresas que aqui operam, o ex-presidente Lula desenvolveu, aos olhos moçambicanos, compromisso com os resultados da atividade empresarial brasileira", escreveu de Moçambique a embaixadora Lígia Scherer.

Lula aterrissou na Bolívia, "com sua comitiva, em avião privado da OAS", reportou o embaixador Marcel Biato em telegram remetido de La Paz. Na época da viagem, a OAS arrostava em solo boliviano protestos que a impediam de tocar uma obra rodoviária de US$ 415 milhões. O presidente Evo Morales, com quem Lula se reuniu, cancelou o contrato. Mas a construtora não saiu de mãos abanando. Recebeuu uma compensação de U$ 9,8 milhões.

Embora confirme as viagens, o Instituto Lula se nega a informar quanto as empreiteiras retiraram de suas caixas registradoras para bancar os deslocamentos, a estadia e a alimentação do seu patrono. São dados "de caráter comercial e privado, não cabe divulgar valores." Hummmm!

Enquanto Lula vendia a própria garganta em palestras de R$ 300 mil, o negócio era esquisito, mas ainda podia ser visto como comércio privado de lero-lero. Lula gosta de jogar palavras ao vento. Se encontra quem o remunere, não está senão mimetizando a turma da Casa Branca e o antecessor FHC. Porém…

Quando um ex-presidente vai a um jantar da Odebrecht no Panamá e se levanta da mesa com três pedidos e o compromisso de levá-los a Dilma Rousseff, pode fazer qualquer coisa, menos consolidar "a imagem e os interesses da nação brasileira."

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.

Josias de Souza