Mais informação com menos tempo de leitura
Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

MP vazou inquérito para deputado, acusa polícia

Josias de Souza

30/03/2013 03h49

Relatório da Polícia Civil do Rio de Janeiro acusa o Ministério Público do Estado de vazar informações sobre um inquérito para um dos investigados, o deputado Eduardo Cunha (RJ), atual líder do PMDB na Câmara. O documento tem 35 páginas. Veio à tona em reportagem de Leslie Leitão e Thiago Prado.

Chama-se Ricardo Magro o protagonista do inquérito. É dono da refinaria Manguinhos, acusada de sonegação fiscal. O deputado Eduardo Cunha frequenta o processo por suspeita de traficar influência em favor de Magro. Pela mesma razão, menciona-se nos autos Edison Lobão Filho (PMDB-MA), que ocupa no Senado a cadeira do pai, Edison Lobão, licenciado para gerir o Ministério de Minas e Energia.

Segundo a polícia, a investigação começou a desandar em 18 de setembro de 2009. Nesse diz o inquérito foi requisitado por Cláudio Lopes, então procurador-geral de Justiça do Rio. O papelório subiu ao gabinete três dias depois, em 21 de setembro. Na mesma data, Eduardo Cunha esteve no gabinete do procurador-geral.

Até então, eram frequentes e corriqueiros os contatos telefônicos entre os investigados. Depois dessa data, os telefonemas escassearam e os diálogos passaram a versar sobre temas pessoais. Para a polícia, ficou evidente que os personagens sabiam que se encontravam sob grampo.

O relatório policial anota: "Após o dia 21/09, data em que a íntegra dos presentes autos foi encaminhada ao Ministério Público por requisição do Promotor de Justiça que atuava na investigação, os alvos interceptados passaram a apresentar um comportamento diferente daquele demonstrado nos outros períodos de interceptação: alguns simplesmente pararam de falar."

Graças às suspeitas envolvendo parlamentares, o processo corre no STF. O atual procurador-geral de Justiça, Marfan Vieira, remeteu ao procurador-geral da República, Roberto Gurgel, um pedido de investigação sobre o vazamento. Deve ser atendido. Eduardo Cunha e o ex-procurador Cláudio Lopes negam o intercâmbio de informações sigilosas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.