PUBLICIDADE
Topo

Maduro parece verde para desafio venezuelano

Josias de Souza

15/04/2013 05h35


 

Excetuando-se o carisma, Hugo Chávez deixou para Nicolás Maduro tudo o que resultou dos seus 14 anos de poder: uma inflação anual a caminho dos 30%, um déficit fiscal de cerca de 15% do PIB, uma economia ainda dependente do petróleo, escassez nas gôndolas e violência nas ruas. Tudo isso pode ser resumido numa palavra: crise.

Chávez deixou também os 25 programas sociais que o tornaram mito –de distribuição de casas populares a mantimentos. O risco à higidez dessas iniciativas cresce na proporção direta do recrudescimento da encrenca econômica. Como se fosse pouco, a Venezuela é, hoje, uma nação trincada ao meio.

Eleito com margem estreita, Nicolás Maduro (50,66% dos votos) terá no seu encalço um vitaminado Herique Capriles (49,07%). Num prenúncio do estilo de oposição que plenaja fazer, o antagonista do sucessor de Chávez questionou a contagem das urnas e pôs em dúvida a legitimidade da vitória do rival.

Capriles já havia surpreendido em outubro do ano passado. Perdera a eleição presidencial para Chávez. Mas saíra da disputa com cara de alternativa. O resultado proclamado no início da madrugada desta segunda (15) mostrou que Capriles ganhou 1,6 milhão de eleitores novos em apenas seis meses.

Na contramão das pesquisas, que atribuíam a Maduro vantagem superior a 9 pontos percentuais, Capriles roçou a nuca do rival. Chegou a uma distância de 1,59 ponto percentual. Com mais um mês de campanha, talvez tivesse produzido uma virada. Ao final de seis anos de presidência de Maduro, Capriles pode virar um ex-azarão.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.

Josias de Souza