Blog do Josias de Souza

Collor e UNE tentam pegar carona em protestos

Josias de Souza

Quem viveu viu. Antagonistas em 1992, Fernando Collor e a União Nacional dos Estudantes estão do mesmo lado em 2013. O presidente do impeachment e a entidade que foi às ruas para exigir sua deposição tentam agora pegar carona nos protestos que mobilizam dezenas de milhares de pessoas.

Em textos e vídeo veiculados no seu site, a UNE faz pose de protagonista de um movimento cuja principal característica é a ausência de comando. Numa “notícia” exposta na página que mantém na internet, Collor desceu ao asfalto, por assim dizer, na mesma faixa.

“É preciso entender que o protesto é legítimo, sobretudo quando se observa que a grande maioria se revolta contra a majoração da passagem de um transporte de péssima qualidade”, diz Collor. “Só sairemos da rua quando baixar o preço da passagem e o governo [tucano de São Paulo] garantir mais democracia”, ecoa Vic Barros, recém-eleita presidente da UNE.

Nessa parceria involuntária, o veterano Collor e a jovem Vic alvejam o mesmo PSDB. Collor questiona Teotônio Vilela Filho, governador tucano de Alagoas, sua província. “O que ele propõe em relação ao sistema de transporte de massa, inclusive intermunicipal?” E quanto à desoneração do setor, “o que está fazendo” o governador?

Vic critica o tucano que administra São Paulo. “Em um Estado Democrático de Direito não vamos aceitar que o governador Geraldo Alckmin use mais uma vez a força e truculência de sua PM para evitar protestos legítimos”, declara.

Para Collor e os ex-caras-pintadas o tempo já não existe. Só existe o passar do tempo. Que fez a o relógio com eles? Aproximou-os. Primeiro, juntaram-se na oceânica base de apoio a Lula. Collor na pele de um festejado senador do governista PTB. A UNE na condição de parceira de movimento $ocial. No momento, a entidade estudantil exibe no seu site a logomarca da Caixa Econômica Federal.

Collor não perde oportunidade de realçar seu reposicionamento no palco. Na sua ''notícia'', cuidou de elogiar Dilma por ter considerado ''legítimo o movimento” que contesta os governantes de modo difuso e generalizado. O senador mimetizou a presidente nas ressalvas e nos elogios.

“Excetuando alguns radicais, a imensa maioria da juventude que está  ocupando as ruas possui uma motivação justa, que precisa ser observada pela classe política brasileira e pelos gestores públicos”, afirmou o ex-inimigo dos estudantes.

A companhia virtual de Collor não chega a dignificar a UNE. Mas é preciso enquadrar a parceria metafórica numa perspectiva histórica. Com o passar do tempo, até a Paola Oliveira um dia será um fóssil.