PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Líderes fecham o caixão e enterram o plebiscito

Josias de Souza

09/07/2013 15h15

 

Como previsto, a Câmara mandou à cova o plebiscito 'vapt-vupt' sugerido por Dilma Rousseff há duas semanas. O cadáver exalava odores havia dez dias. O último prego foi martelado no caixão no final da manhã desta terça (9), em reunião dos líderes partidários com o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves.

Ao final da reunião, Henrique jogou sobre a cova a última pá de cal ao reafirmar que será mesmo constituído um grupo de trabalho para elaborar um projeto de reforma política. Se for aprovada, será submetida a referendo no ano que vem. E valerá para as eleições de 2016.

O atestado de óbito do plebiscito foi rubricado por mais de 90% dos líderes. "O prazo exigido pelo Tribunal Superior Eleitoral [para organizar a realização de um plebiscito] é de 70 dias. Dentro desse prazo não haveria como fazer o plebiscito para 2014. Essa foi a constatação de todos", disse Henrique. PT, PCdoB e PDT tentaram ressuscitar o morto. Ficaram falando sozinhos à beira da cova.

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.