PUBLICIDADE
Topo

Cid Gomes transforma parte de viagem oficial em passeio e explica: ‘eu sou de carne e osso’

Josias de Souza

13/07/2013 21h18

Uma coisa os protestos de rua ensinaram: o alvos dos protestos de rua nunca aprendem. No auge das manifestações de junho, o governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), decolou para uma viagem de 14 dias. Voaria até a Coreia do Sul, onde faria contatos comerciais. Segundo a assessoria, ele faria uma escala na Europa, para descansar. No final, o que era acessório tornou-se principal. Cid não foi à Ásia. Preferiu permanecer apenas na Europa.

Sabe-se que o governador passou pela Itália. Depois, teria embarcado com amigos num cruzeiro pelo Mediterrâneo. Durante a ausência de Cid Gomes, o deputado estadual Heitor Ferrer (PDT) lançou no Facebook uma campanha: "Cadê o governador?".

Nesta sexta (12), plugado no Twitter, o viajante ilustre foi questionado sobre o tema. E admitiu: "Parte da minha agenda foi de eventos oficiais e que estão publicados no Diário Oficial. Outra parte foi particular, sem pagamento." Perguntaram-lhe se o passeio orna com o momento político. Cid invocou condição humana: "Eu sou de carne e osso e fisicamente preciso, vez por outra, de um descanso."

Uma internauta recordou a Cid que Dilma cancelou uma viagem ao exterior por causa dos protestos. E insistiu: o momento era propício para sua saída do Estado? O governador foi sucinto: "Faça o seu juízo." O deputado Ferrer já fez o seu juízo. Enxergou nas manifestações de Cid no microblog uma confissão de improbidade. Planeja representar contra ele no Ministério Público.

A assessoria do governador diz que sua passagem pela Itália incluiu compromissos de trabalho. Quais? Visitou fábricas de trens que fornecerão vagões e equipamentos para o metrô de Fortaleza. E esteve numa fábrica de elevadores. O deputado Ferrer dá de ombros: "A viagem foi mais a passeio do que para agenda do Estado."

"O que é público tem que ser transparente", acrescenta Ferrer. "Teria sido simples comunicar o descanso à Assembleia Legislativa e ter viajado à sua expensa. Há enriquecimento ilícito…"

Por mal dos pecados, o vice-governador cearense, Domingos Filho (PMDB), também viajou para o estrangeiro enquanto o asfalto fervia no Brasil. Foi à Arábia Saudita e Israel. Parte trabalho, parte particular, dizem os assessores do vice. Na ausência de Cid Gomes e do seu segundo, assumiu o governo o presidente da Assembleia, José Albuquerque (PSB). Reparando bem, os gestores do Ceará não deixaram apenas o país. Ao decolar, tiraram os pés da realidade.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.