PUBLICIDADE
Topo

Professor cubano da USP esmiúça em artigo o modelo de ‘exportação’ de médicos de Havana

Josias de Souza

08/08/2013 06h27

Foi baixa, muito baixa, baixíssima a adesão à primeira chamada do programa 'Mais Médicos'. Dos 15.460 profissionais que planeja contratar para atender à clientela do SUS nos fundões do Brasil, o governo só conseguiu atrair 938 brasileiros. Para o ministro Alexandre Padilha (Saúde), ficou entendido que a importação de profissionais será mesmo inevitável. De onde? Citou Espanha, Portugal, Argentina e… Cuba.

Um artigo veiculado no mês passado no Jornal da USP esmiúça o modelo de exportação de médicos adotado por Cuba. Chama-se Juan López Linares o autor do texto, disponível aqui. Nascido e graduado na ilha dos irmãos Fidel e Raul Castro, Juan naturalizou-se brasileiro. Hoje, é professor da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da USP. Declara-se "a favor" da vinda de médicos cubanos ou de qualquer outra parte do mundo. Porém…

Juan diz recear que um eventual acerto com Cuba inclua no "pacote" alguns "interesses espúrios" da ditadura dos irmãos Castro e ameaças às "liberdades individuais" dos médicos cubanos. Eis algumas das observações do professor:

1. Levando adiante o plano de importar médicos cubanos, o governo brasileiro teria de se entender com o regime de Havana, não com os profissionais. "Isso significa, na prática, que mais de 50% do salário pago pelas autoridades brasileiras" não chegaria aos bolsos dos médicos. Serviria "para alimentar a ditadura cubana."

2. O salário mensal de um médico em Cuba, escreve o professor Juan, "não supera os R$ 100". Por isso, eles consideram o trabalho no estrangeiro, mesmo quando prestado na África, "um sacrifício desejável."

3. Cuba impõe aos médicos que envia ao estrangeiro um leque de suplícios baseados num vocábulo: não. Os doutores não podem viajar, não estão autorizados a participar de congressos, não podem tomar parte de movimentos políticos, não isso e não aquilo. O desrespeito às proibições sujeita os infratores a uma punição draconiana: retornar a Cuba.

4. "A experiência mostra que uma parte não desprezível dos médicos termina 'fugindo' dessa situação mediante o casamento com um cidadão local ou a emigração para um terceiro país", escreveu o professor Juan. Para a grande maioria dos médicos cubanos, viajar para trabalhar em outro país (mesmo nos países mais pobres da África) é um sacrifício desejável.

5. O doutor Juan prossegue: "A experiência mostra que uma parte não desprezível dos médicos termina 'fugindo' dessa situação mediante o casamento com um cidadão local ou a emigração para um terceiro país."

6. Juan diz dar razão às entidades médicas brasileiras quanto à exigência de submeter os médicos cubanos ao teste de conhecimentos profissionais, o Revalida. As estatísticas do exame, informa o doutor, indicam que "somente 20% dos médicos formados em Cuba passam nas provas" –a cifra inclui os brasileiros que estudam em Havana. Gente indicada "pelos partidos políticos favoráveis ao regime dos Castros."

Considerando-se os alertas do professor, o governo brasileiro arrisca-se a importar mais problemas do que médicos se levar adiante o plano de incluir Cuba na equação.

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.

Josias de Souza