PUBLICIDADE
Topo

Congresso promulga o voto aberto nesta quinta

Josias de Souza

27/11/2013 15h51

Henrique Eduardo Alves e Renan Calheiros, presidentes da Câmara e do Senado, marcaram para as 11h desta quinta-feira (28) o ato de promulgação da emenda que inseriu na Constituição o voto aberto em dois tipos de votação no Congresso: cassação de mandatos de parlamentares e análise de vetos presidenciais.

A Câmara havia aprovado uma proposta mais ampla, que abolia inteiramente o voto secreto. O Senado, porém, preferiu manter o segredo do voto na apovação de autoridades como ministros do STF, procurador-geral da República, embaixadores e dirigentes de agências reguladoras.

Assim, Renan e Henrique promulgarão apenas o pedaço da proposta aprovado nas duas Casas legislativas. No caso das cassações de mandato, a nova regra deve ser usada pela primeira vez no julgamento dos mensaleiros. Há quatro deputados entre os condenados do mensalão.

São eles: José Genoino (PT-SP), João Paulo Cunha (PT-SP), Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Henry (PP-MT). Genoino tenta fugir da cassação pela porta da aposentadoria por invalidez. Os outros três, que ainda não tiveram as prisões decretadas, tremem. Com voto aberto, a chance de repetição do flagelo Natan Donadon é menor. Sob a luz do sol, todo parlamentar é um poço de ética.

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.

Josias de Souza