Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

João Paulo introduz galhofa dentro da tragédia

Josias de Souza

2007-02-20T14:04:30

07/02/2014 04h30

Preso na Papuda desde terça-feira (4), João Paulo Cunha apressou-se em protocolar na Vara de Execuções Penais de Brasília um pedido para trabalhar fora da cadeia durante o dia. Tem direito. Foi condenado pelo STF a 9 anos e 4 meses de cana por peculato, lavagem de dinheiro e corrupção passiva. O regime seria fechado. Mas como há um recurso pendente de julgamento, a pena inicial é de 6 anos e 4 meses. No regime semiaberto. O condenado precisa apenas dormir no xadrez.

Conforme a petição do doutor Alberto Toron, seu advogado, João Paulo deseja dar expediente na Câmara. Natural. Já está acostumado com a rotina: semana de três dias, salário alto e todas as vantagens que o dinheiro público é capaz de pagar. Porém, em nome da reabilitação do preso, a Justiça precisa indeferir o pedido. Diz-se que as penitenciárias brasileiras são escolas do crime. Considerando-se o passado de João Paulo e dos seus companheiros de cela, o Congresso é a universidade.

A confusão da política brasileira começa no plenário da Câmara. Nenhum deputado senta na cadeira. Fica todo mundo de pé, na frente da mesa. A atmosfera é de boteco. Ou de pátio de penitenciária. Na melhor das hipóteses, dá em anedota e cutucão na barriga. Na pior das hipóteses, termina em mensalão, nunca em reabilitação.

De resto, João Paulo levaria para a Câmara os vícios novos que vai adquirir na prisão. Com a autoridade de ex-presidente da Casa, ele bateria na mesa e exigiria que as facções governistas lhe fornecessem pequenos agrados. A turma do PMDB entregaria maços de cigarro. O PT talvez providenciasse as últimas edições da Playboy. Tudo isso diante das lentes da TV Câmara, na frente das crianças.

Os jornais estampariam fotos inusitadas. As tevês exibiriam imagens inimagináveis. De camburão, seu novo carro oficial, João Paulo chegaria à Câmara para o primeiro dia fora do xilindró. No plenário, lhe retirariam as algemas. A administração da Casa providenciaria crachás especiais para os policiais. Que montariam guarda nas portas de saída.

Tudo, no fim das contas, é uma questão de compostura. É preciso ter linha. Convertido em escândalo no primeiro reinado de Lula, o Congresso demonstrou que seu conceito de "linha" é elástico. Mas convém maneirar. Ao negar-se a cumprir a determinação do STF de impor aos condenados do mensalão a cassação automática, a Câmara injetou tragédia no teatro. Agora, João Paulo quer introduzir galhofa na tragédia. Quando os mensaleiros foram condenados, muita gente boa disse que o futuro da nação seria melhor. Hoje, o brasileiro já sussurra para os seus botões: "Se esse é o país do futuro, por favor, me arranjem um do passado!"

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.