Mais informação com menos tempo de leitura
Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Aécio diz que, eleito, vai propor fim da reeleição

Josias de Souza

03/04/2014 05h23

.
O presidenciável tucano Aécio Neves está otimista. "Vai haver segundo turno", ele afirma. "Não há razão para não haver segundo turno", ele enfatiza. Num confronto direto contra Dilma Rousseff, "quem for para o segundo turno passa a ser favorito e vence as eleições", ele vaticina. Candidato de mostruário, Aécio invoca um par de autocritérios para sustentar que o adversário de Dilma será ele, não o amigo Eduardo Campos (PSB). "Achamos que, pela estrutura que temos, pela clareza das nossas propostas, temos melhores condições de chegar no segundo turno."

Em entrevista ao blog, Aécio animou-se a antecipar os planos inaugurais de sua hipotética gestão. "Eu quero, no primeiro dia de um eventual mandato, propor três temas da reforma política", disse. "São necessários para que haja uma relação minimamente estável entre Legislativo e Executivo." Uma de suas ideias é a de acabar com a reeleição .—por ironia, um instituto empurrado para dentro da Constituição sob o governo tucano de Fernando Henrique Cardoso. Aécio sugerirá que os mandatos passem a ser de cinco anos, com eleições unificadas.

Os outros temas que Aécio promete incluir na sua reforma inaugural são: 1) cláusula de desempenho para os partidos políticos. Para ter acesso às verbas do fundo partidário e à propaganda no rádio e na tevê, a legenda teria de obter um percentual mínimo de votos (5%) em pelo menos nove Estados. 2) voto distrital misto. Aécio quer "metade do Parlamento eleito por distritos, em voto majoritário. E metade em lista partidária".

O repórter recordou a Aécio que o vencedor de 2014, seja quem for, terá um 2015 duro de roer. Na economia, será um ano de aperto fiscal e de notícias amargas -do aumento da gasolina e da conta de luz aos ajustes no cálculo do salário mínimo. Citando ensinamentos do avô Tancredo Neves, Aécio disse que não cogita governar de olho nas pesquisas de opinião.

"Se eu precisar passar quatro anos devendo popularidade pra fazer o que precisa ser feito eu vou fazer. Que venha outro depois pra colher os louros, pra colher os frutos. O governo vai ser sério do início ao fim. E não vai permitir que a governança se dê com base em curvas de popularidade, mas sim nas medidas necessárias a retomar o crescimento no Brasil, a voltar a gerar empregos de qualidade , a reinserção do Brasil nas cadeias globais de produção…"

Aécio criticou Lula por não ter feito as reformas que, na sua opinião, são essenciais: política, tributária, previdenciária…". No dizer de Aécio, faltou "coragem política". Ele declara que Lula desperdiçou "um tripé de condições raríssimas: 1) economia bombando, 2) uma base de apoio enorme; e 3) uma popularidade nas nuvens". Sob Dilma, diz Aécio, além de não programar o futuro, o governo passou a comprometer os avanços pretéritos.

Afora a instabilidade da moeda, Aécio mencionou o que chama de "equação perversa". Coisa "jamais vista antes na história do Brasil", ele ironizou, parafraseando Lula. "O PT deixará inflação alta, crescimento baixo e perda de credibilidade do Brasil, que afeta o fluxo de investimentos. Na infraestrutura, demonizaram por dez anos as privatizações, as concessões. Atrasaram o Brasil dez anos e agora fazem de forma envergonhada."

Aécio recebeu o blog em seu gabinete, no Senado, no início da tarde desta quarta-feira. Pouco depois, ele estaria no plenário, guerreando pela instalação de uma CPI da Petrobras, sua mais nova prioridade política. Conforme já noticiado aqui, na noite passada, Aécio defende que Dilma apresente à CPI sua "defesa" por ter avalizado, como presidente do Conselho de Administração da Petrobras, a compra da refinaria de Pasadena, no Texas. Um negócio que se revelou ruinoso e que sorveu cerca de US$ 1,3 bilhão.

Em casa, Aécio atravessa uma quadra especial. Já era sabido que Letícia, sua mulher, está grávida. Agora, ele confirma: "Serão gêmeos, uma alegria pra mim." O candidato não é um novato na matéria. "Eu tenho uma filha de 22 anos. Convivo com minha mulher há quase seis anos, ela não é mãe ainda. E terá esse privilégio." Os gêmeos nascerão em plena campanha, no mês de agosto. "Um momento tranquilo da minha vida", Aécio se autoironizou. O sexo das crianças? "Um menino e uma menina: Bernardo e Júlia. Tive sorte".

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.