PUBLICIDADE
Topo

Cunha e Dilma falaram sobre Lava Jato e STF

Josias de Souza

06/09/2015 02h25

A convite de Dilma, Eduardo Cunha esteve no Palácio do Planalto há cinco dias. Depois da audiência, relatou trechos da conversa a aliados. Um desses trechos soou inusitado. De acordo com o deputado, a presidente da República "insinuou" que poderia ajudá-lo no Supremo Tribunal Federal.

Em privado, Cunha disse ter depreendido que Dilma lhe ofereceu ajuda para lidar com o processo que corre contra ele no STF. O deputado foi acusado por um dos delatores da Lava Jato, o consultor Júlio Camargo, de ter cobrado propina de US$ 5 milhões num contrato de fornecimento de navios-sonda à Petrobras. Cunha nega.

Convencido de que o delator diz verdade, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou Cunha ao Supremo por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O deputado aguarda por uma manifestação do tribunal. Se a denúncia do Ministério Público Federal for aceita pelos magistrados da Suprema Corte, Cunha passará de denunciado a réu.

Foi contra esse pano de fundo que Dilma puxou conversa sobre Lava Jato e STF. Considerando-se que cabe a Cunha, como presidente da Câmara, decidir se os pedidos de impeachment contra sua interlocutora devem ser engavetados ou submetidos à deliberação do plenário, ficou boiando na atmosfera a incômoda impressão de que Dilma pode ter sugerido a Cunha uma barganha.

Pior: tomando-se como verdadeiro o relato feito por Cunha em privado, Dilma dá a entender que dispõe de poderes para interferir nas decisões do STF, cujo plenário é integrado por onze ministros. De duas, uma: ou Cunha entendeu mal o que ouviu ou Dilma, sitiada pelas crises econômica e política, entrou em fase de desespero.

Nem Cunha parece ter dado crédito às palavras da presidente. Segundo disse aos seus confidentes, o deputado avalia que Dilma tenta toureá-lo por um ano e meio, até o término do seu mandato como presidente da Câmara. Resta saber se o STF demorará tanto tempo para deliberar sobre a denúncia da Procuradoria.

Neste sábado (6), veio à luz uma notícia que serve de alento aos que esperam dos magistrados do STF que retribuam com decisões independentes os salários que recebem do contribuinte.

Indicado para o Supremo por Dilma, o ministro Teori Zavascki, relator dos processos da Lava Jato, determinou a abertura de investigação criminal contra três personagens: o senador tucano Aloisio Nunes Ferreira e os ministros petistas Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Edinho Silva (Comunicação Social).

Os três foram apontados pelo delator Ricardo Pessoa, dono da construtora UTC, como destinatários de verbas desviadas da Petrobras. No caso de Edinho, o repasse foi à caixa registradora da campanha presidencial de Dilma, no ano passado. Coisa de R$ 7,5 milhões. Todos alegam que o dinheiro recebido da UTC foi contabilizado junto à Justiça Eleitoral.

Mercadante é, hoje, o ministro mais próximo a Dilma. Edinho foi tesoureiro da campanha da presidente à reeleição. Cabe a pergunta: se não consegue deter nem a abertura de inquéritos contra dois ministros palacianos, como a inquilina do Planalto pretenderia afastar Eduardo Cunha do banco dos reus?

– Reveja abaixo o trecho do depoimento em que o delator Júlio Camargo disse ter negociado propina com Cunha.

.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.