PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Decisão do STF foi celebrada na sala de Dilma

Josias de Souza

13/10/2015 16h49

Dilma Rousseff e seus operadores políticos celebraram com raro entusiasmo as liminares concedidas por ministros do STF para suspender a eficácia do rito de tramitação do impeachment definido por Eduado Cunha. A presidente recebeu a notícia no instante em que estava reunida com o comitê de ministros da coordenação de governo. O vice-presidente Michel Temer, beneficiário direto de um eventual afastamento de Dilma, testemunhou a cena em silêncio.

Coube ao ministro José Eduardo Carozo (Justiça) informar aos presentes sobre os despachos dos ministros do Supremo. Primeiro, expôs o teor da liminar expedida por Teori Zavascki. Ainda durante a reunião, veio à luz a decisão da ministra Rosa Weber, que reforçou a anterior. Inicialmente, avaliou-se no Planalto que o STF havia barrado qualque deliberação de Cunha sobre o impeachment. Essa interpretação potencializou o entusiasmo. Porém…

Verificou-se na sequência que as decisões dos magistrados não retiravam das mãos de Eduardo Cunha o poder de decidir se um pedido de abertura de processo de impeachment deve ser deferido ou enviado ao arquivo. O entusiasmo do governo diminuiu. Mas a atmosfera de celebração foi mantida. Concluiu-se que o Planalto ganha tempo para reconstruir sua base legislativa e tentar se reaproximar de Cunha.

Ironicamente, o rito que os ministros do STF suspenderam foi utilizado também por Michel Temer. Prevê a possibilidade de recurso ao plenário caso o presidente da Câmara indefira um pedido de impeachment. Quando comandava a Câmara, Temer mandou à gaveta um processo contra o então presidente Fernando Henrique Cardoso, proposto por José Genoino e José Dirceu, à época deputados federais pelo PT de São Paulo.

O petismo recorreu contra esse indeferimento determinado. E Temer transferiu a decisão para o plenário da Câmara, que, por maioria simples, confirmou o arquivamento do pedido de impeachment contra FHC. Nesse ponto, Cunha não fez senão ressuscitar o rito de Temer, facultando à oposição recorrer contra um eventual indeferimento da abertura de processo contra Dilma.

Presente à reunião de Dilma com sua coordenação política, Temer se absteve de recordar o passado.

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.