PUBLICIDADE
Topo

Geddel: ‘País terá de decidir se quer reformas’

Josias de Souza

14/09/2016 11h41

Prestes a iniciar uma rodada de reuniões sobre a reforma da Previdência, o ministro Geddel Vieira Lima, coordenador político do Planalto, afirma: "O país terá de decidir se quer reformas como a da Previdência." A alternativa aos ajustes, acrescenta Geddel, é "o governo empurrar os problemas com a barriga até 2018 e entregar a bomba atômica na mão de quem vier."

Segundo o ministro, o projeto sobre a Previdência deve ser esmiuçado em reuniões setoriais antes de ser enviado ao Congresso. A proposta será exposta em encontros com líderes partidários da Câmara, líderes do Senado, empresários e sindicalistas. Geddel estima que esses encontros, depois de organizados, consumirão algo como dez dias.

"A experiência que tive no governo de Fernando Henrique Cardoso ensina que as reformas importantes têm que ser discutidas, comentadas, mastigadas", declara Geddel. "Só assim todos terão clareza do que se pretende." Na gestão FHC, Geddel era deputado federal. Foi líder da bancada do PMDB.

No momento, Geddel avalia que as pessoas estão dando mais importância ao que é secundário (a data do envio do projeto ao Congresso) em detrimento do essencial (o debate sobre o conteúdo da proposta). Empenha-se, segundo diz, para inverter a equação.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.

Josias de Souza