Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Contra crime organizado, Estado esculhambado

Josias de Souza

2028-10-20T16:05:13

28/10/2016 05h13

Os poderosos da República reúnem-se nesta sexta-feira em Brasília para incluir a segurança pública na agenda nacional. Michel Temer declarou na véspera que "nós temos uma harmonia absoluta entre os Poderes do Estado." De fato, a República atingiu um grau de harmonia poucas vezes visto. As autoridades já não discutem. Na verdade, elas nem se falam. Ficou fácil entender por que a criminalidade prevalence. O crime é organizado porque o Estado ficou esculhambado.

Deve-se a realização do encontro a uma sugestão da ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal. Ela se inquietou com as penúltimas ebulições ocorridas em presídios do Norte e do Nordeste. Chegou mesmo a visitar uma penitenciária no Rio Grande do Norte. Agora, ao falar sobre prisões e criminosos num encontro com a presença de Renan Calheiros. Haja harmonia!

Uma semana antes da reunião desta sexta, Cármen Lúcia marcou para 3 de novembro o julgamento da ação que decidirá se um réu pode ocupar cargos situados na linha de sucessão da República —presidente do Senado, por exemplo. Na sequência, a ministra terá a oportunidade de pautar o julgamento de uma denúncia que se encontra sobre sua mesa. Nela, a Procuradoria pede que Renan seja enviado ao banco dos réus sob a acusação de pagar despesas de uma filha que teve fora do casamento com propinas recebidas da Mendes Júnior.

Esse encontro em que os Poderes do Estado colocarão toda sua harmonia a serviço da segurança dos brasileiros esteve na bica de ser cancelado. Renan achou que alguns dos participantes não estavam à sua altura. Ameaçou voar para Alagoas. Temer teve de suar a língua para segurá-lo em Brasília. Renan decidiu fazer o favor de abrilhantar a reunião com sua presença. Heroi da governabilidade, Renan carrega sua virtude no coldre. E passou a semana distribuindo rajadas de harmonia.

Chamado por Renan de "chefete de polícia", o ministro Alexandre Moraes (Justiça) levará para o encontro um esboço de plano nacional de segurança. Contém providências que dependem de aprovação no Congresso. Renan decerto não economizará esforços para ajudar o "chefete" Alexandre. Sobretudo depois que ele lhe pedir desculpas por ter permitido que a Polícia Federal "invadisse" o Senado, para cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão expedidos por um "juizeco de primeira instância."

Se Deus pudesse escolher um lugar para morar, apesar de toda a insegurança, esse lugar seria o Brasil. Como o Todo-Poderoso não pode, Renan o substitui. A despeito da "harmonia absoluta", o mais provável é que a reunião desta sexta produza resultados apenas cenográficos. Mas pelo menos a ministra Cármen Lúcia terá a oportunidade de propor refinar a análise do problema.

Ao falar sobre prisões e criminosos na presença de Renan, a presidente do Supremo talvez se anime a abrir o debate perguntando: "Vamos abordar o problema de fora pra dentro ou de dentro pra fora?"

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.