PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Dilma diz que novo golpe pode minar a candidatura de Lula ou adiar eleições

Josias de Souza

28/01/2017 03h23

Ueslei Marcelino/Reuters

Dilma Rousseff encontrou nos últimos dias uma forma de preencher o vazio de sua rotina pós-impeachment. Dedica-se a espinafrar a democracia brasileira no exterior. Nesta sexta-feira (27), participou de um seminário na Universidade de Salento, em Lacce, no sul da Itália. A certa altura, denunciou um "segundo golpe" que estaria sendo tramado no Brasil, dessa vez para "retirar da eleição de 2018 Lula da Silva ou adiá-la, por algum motivo que eu ainda não consegui imaginar."

A suposta trama golpista foi encaixada na última frase da palestra de Dilma como uma espécie de grand finale de uma locução confusa, que a tradução concomitante do dilmês para o italiano tornou enfadonha (assista à íntegra no vídeo disponível no no rodapé do post). Na antevéspera, Dilma dissera noutro seminário, na Espanha, que "há interesses escusos" na Lava Jato. Sem citar os cinco processos em que Lula figura como réu, mencionara o "grande risco de que eles tentem inviabilizar sua eleição, condenando-o." Sobre adiamento da eleição, não havia falado ainda.

Paradoxalmente, Dilma disse crer na democracia brasileira. "Eu acredito na força do povo brasileiro para impedir esse golpe", ela afirmou, sem esclarecer à plateia italiana que, por ora, há no Brasil mais gente na fila do seguro desemprego do que nas hipotéticas fileiras da resistência a um golpe que ninguém farejou. "O Brasil precisa de um banho de democracia", sustentou. "Não é um acordo por cima, como é da nossa tradição política. Agora, é um acordo por baixo, que só o voto constroi."

Dilma teve de fazer uma certa ginástica retórica para explicar aos italianos por que as praças no Brasil não estão apinhadas de manifestantes protestando contra o impeachment e clamando pelo seu retorno à Presidência. "Como se explica que a população brasileira tenha, de uma certa forma, sucumbido diante do golpe?", ela perguntou a si mesma. Atribuiu o fenômeno sobretudo à crise. Nada a ver, naturalmente, com o seu governo. Dilma culpou o mundo.

"O mundo entrou em crise. Os países em desenvolvimento, emergentes, resistiram à crise. Mas acabaram sofrendo os efeitos dela a partir do terceiro trimestre de 2013. E a base fundamental dessa crise ocorreu em 2015." Citando o economista Milton Friedman, que chamou de "pai do neoliberalismo", Dilma disse que, sob crise, proliferam alternativas às políticas existentes, que ficam em evidência "até que o politicamente impossível se torne o politicamente inevitável."

"No Chile foi o golpe [que guindou Augusto Pinochet ao poder]. Com a Margaret Thatcher [ex-primeira-ministra britânica], a guerra das Malvinas", comparou Dilma, antes de incluir esta terra de palmeiras em sua inusitada analogia: "No Brasil, não foi [apenas] a crise econômica, foi sobretudo a crise política. A crise política teve um papel estratégico na inviabilização do governo, no enfrentamento da crise econômica."

Sem citar nomes, Dilma sustentou que os algozes do seu governo, em conluio com a imprensa, fabricaram uma crise política, para "inviabilizar a saída da crise econômica." As gestões petistas já tinham feito dois ajustes "para enfrentar problemas econômicos", disse Dilma. "…Isso ocorreu em 2003, 2004 e metade de 2005. E ocorreu de 2010 para 2011. Nessas duas vezes, nós fizemos ajustes e conseguimos voltar a crescer, continuamos distribuindo renda. Nós acrerditávamos que conseguiríamos fazer o mesmo em 2015."

Abstendo-se de mencionar que havia cerca de 11 milhões de brasileiros desempregados quando o impeachment foi consumado, Dilma atrasou o relógio: "Para vocês terem uma ideia, no final de 2014 a taxa de desemprego no Brasil era 4,6%, a mais baixa da história. Nós sabíamos que tínhamos de tomar medidas, reduzir alguns gastos, e sobretudo aumentar impostos."

Sem perceber, Dilma acabou confessando na Itália ter praticado no ano eleitoral de 2014 um estelionato político. Sabia que o ajuste fiscal era inevitável. Tramava aumentar impostos. Mas prevaleceu sobre o tucano Aécio Neves nas urnas daquele ano vendendo a fantasia de um Brasil condenado à prosperidade, impermeável à crise.

A alturas tantas, Dilma pediu licença à plateia para "fazer uma reflexão". Rodopiando em torno do óbvio, madame revelou: "Eu já percebi, acho que todo mundo percebe, que há um claro posicionamento de todas as sociedades contra impostos." Espanto (!), pasmo (!!), estupefação (!!!). Madame notou que não há pessoa que goste de ser chamada de contribuinte depois que lhe arrancam tudo a força.

"Isso é jutificável até certo ponto", pontificou Dilma. "Por quê? Porque também é inequívoco que há uma queda de tributação no mundo inteiro, sobretudo sobre as empresas. Não há a mesma queda proporcional em relação às rendas do trabalho."

Curioso, muito curioso, curiosíssimo. Até Lula critica Dilma publicamente pela farra de desonerações tributárias que seu governo proporcionou a setores companheiros do empresariado. De resto, as observações soaram extemporâneas nos lábios de Dilma, representante de um grupo político que passou 13 anos no poder e não se dignou a colocar em pé uma reforma tributária.

A palestra de Dilma flertou com algumas contradições. Num trecho, criticou o governo "golpista" e "ilegítimo" por abraçar o neoliberalismo e impor à sociedade medidas impopulares como a emenda constitucional do teto dos gastos. Noutro insinuou que Michel Temer precisa enfiar um pouco mais a lâmina da faca nas costas dos brasileiros. Pregou a necessidade de um "aumento seletivo de tributação".

"Não se sai da crise só por corte de gastos", disse Dilma, distribuindo gratuitamente uma teoria que não conseguiu colocar em prática enquanto esteve sentada na poltrona de presidente. "Até é possível recuperar o crescimento. Mas o que está se vendo hoje é que se recupera o crescimento, mas não se recupera o bem-estar anterior. E é interessante porque é interditada essa discussão sobre impostos."

Havia também na palestra de Dilma trechos impregnados do mais puro e legítimo dilmês, um idioma que os brasileiros abriram mão de tentar decifrar. A tradução era boa. Mas os italianos tampouco devem ter alcançado o nível de sofisticação da oradora. Vai abaixo, para quem tiver paciência, um trecho inexpugnável do trololó:

"A razão primeira da crise, o fundamental da crise, da qual todos nós sofremos a consequência, é o processo de financeirização que tomou conta da economia. Entre outras coisas, explica porque a recuperação tem sido mais lenta e mais fraca. E isso coloca uma questão: nós, no Brasil estávamos contra a corrente. Nós vínhamos fazendo um processo de inclusão social, valorizando 200 milhões de população que temos, porque a população é um dos grandes recursos econômicos, políticos, sociais, morais e éticos. Mas é um valor econômico. Nós estávamos incluindo, quando o que fazia e o que ocorria com o capitalismo? Produzia a maior desigualdade de todos os tempos. O que explica as reações ao Brexit e à própria eleição americana. Por que isso? Porque é algo que, no Brasil, nós vivemos ao contrário. Enquanto as populações têm expectativas sobre o atendimento às suas demandas, a participação na forma pela qual as coisas vão ser decididas ou encaminhadas, a política, no sentido maior da palavra, é relevante. Quando uma nação, um país e o mundo se financeirizam e a resposta é o salário precário, salário baixo e falta de perspectiva, a política passa a ser irrelevante. E soluções mágicas, salvadores da pátria surgem."

.

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.