Blog do Josias de Souza

Janot e Gilmar brigam! Tire as crianças da sala.

Josias de Souza

.

Antes de qualquer coisa, um aviso: esse comentário contém linguagem rasteira. Convém tirar as crianças da sala. Duas das mais altas autoridades de Brasília —o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, e o procurador-geral da República Rodrigo Janot— decidiram se engalfinhar em público. Gilmar usou uma notícia de jornal para acusar procuradores de vazar deliberadamente para a imprensa nomes de encrencados na lista da Odebrecht. O vazamento, disse ele, é crime previsto no Código Penal. Janot negou a notícia. E atribuiu as declarações de Gilmar à “decrepitude moral” do ministro, que sofre, segundo ele, de “disenteria verbal.”

Se essa troca de ataques evidencia alguma coisa é que Janot e Gilmar consideram-se um ao outro sujeitos desprezíveis. Um, responsável por processar a bandidagem engravatada, não conseguiria enxergar o crime de “violação de segredo funcional” praticado ao seu redor. Outro, responsável por julgar os delinquentes do poder, “corteja desavergonhadamente” os acusados, disse Janot, mantendo com eles uma “relação promíscua”.

Nesse ritmo, Janot e Gilmar vão acabar se despachando mutuamente para lugares desagradáveis. Um pode enviar o contendor ao excremento. Outro talvez mande o rival à presença da pessoa que, tendo lhe dado à luz e exercendo a profissão de prostituta, não sabe dizer ao certo quem é seu pai. Atônita, a plateia se pergunta: não seria melhor se autoridades como Janot e Gilmar se unissem para honrar o salário que recebem do contribuinte, punindo os corruptos? O ruim de duas autoridades se ofenderem em público é o pessoal que passa achar que ambas têm razão.