PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Exército sofre pane hierárquica e nada acontece

Josias de Souza

18/09/2017 05h49

Era só o que faltava! O general Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, comandante do Exército, costuma dizer que a saída para a crise ética, seja qual for, passa pela Constituição. Na última sexta-feira, porém, outro general da ativa, Antonio Hamilton Mourão, disse coisa bem diferente numa palestra para maçons, em Brasília (repare no vídeo).

Sem meias palavras, Mourão admitiu a hipótese de uma "intervenção militar" se o Judiciário não conseguir deter a corrupção. Mais: insinuou que ecoava uma opinião dominante no Alto Comando do Exército. Pior: declarou que a força militar realizou "planejamentos muito bem feitos" sobre a matéria.

Responsável pelas finanças do Exército, o general Mourão estava fardado quando afirmou que pode chegar a hora de os militares terem de "impor" uma intervenção. Explicou que "a imposição não será fácil". Enfatizou: "…Ou as instituições solucionam o problema político, pela ação do Judiciário, retirando da vida pública esses elementos envolvidos em todos os ilícitos, ou então nós teremos que impor isso."

Ninguém disse ainda, talvez pelo inusitado da situação, mas estabeleceu-se no Exército algo muito parecido com uma pane hierárquica. Um general apregoou, em timbre golpista, a hipótese de ocorrer no Brasil uma nova intervenção militar. E o comandante Vilas Bôas, que se dizia acorrentado à Constituição, não deu ordem de prisão ao subordinado.

Decorridos três dias do acinte, não se ouviu, por ora, uma mísera manifestação pública do ministro da Defesa, Raul Jungmann. Suposto comandante supremo das Forças Armadas, Michel Temer amarelou. O presidente foi citado como parte do problema da corrupção na pergunta que levou o general Mourão a flertar com o inadmissível. E preferiu lidar com o problema à moda do avestruz, enfiando a cabeça na sua insignificância.

Insubordinações militares costumam ser resolvidas com voz de comando e punição. O silêncio, nesses casos, não é remédio, mas veneno. Como diria Renato Russo: "Que país é esse?"

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.