Topo

FHC defende que PSDB saia do governo Temer

Josias de Souza

05/11/2017 04h09

Fernando Henrique Cardoso, grão-mestre do tucanato, quer ver o seu partido longe de Michel Temer. Em artigo veiculado neste domingo, FHC anotou que os tucanos precisam "passar a limpo o passado recente", aprofundar o "mea-culpa", pacificar suas "facções internas" e descer do muro para encarar o seu dilema: Ou o PSDB desembarca do governo em dezembro ou se cofundirá com o PMDB, tornando-se definitivamente um ator coadjuvante na disputa presidencial de 2018, disse.

"É hora de decidir e não se estiolar em não decisões", anotou FHC na parte final do artigo, veiculado no Globo e no Estadão. "É hora também de juntar as facções internas e centrar fogo nos adversários externos." Sem renegar o apoio dado à gestão Temer após o impeachment de Dilma Rousseff —"A transição política exigia repor em marcha o governo federal…"—, FHC desce do muro para se juntar à parcela antigovernista do ninho.

"Politicamente, há um ponto crítico e alguma decisão deverá ser tomada: ou o PSDB desembarca do governo na Convenção de dezembro próximo, e reafirma que continuará votando pelas reformas, ou sua confusão com o peemedebismo dominante o tornará coadjuvante na briga sucessória."

FHC talvez não tenha notado. Mas a posição subalterna do PSDB já é algo consolidado. O partido escreve uma página melancólica de sua história. Saiu da eleição presidencial de 2014 como maior força política da oposição. Aécio Neves parecia fadado a virar presidente na sucessão seguinte.

Hoje, o PSDB não chega a ser nem coadjuvante. Perdeu o posto para os partidos arcaicos do centrão. Virou figurante de um governo dominado pela banda podre do PMDB, que se divide em duas alas: quem tem mandato está ao lado do presidente. Quem já não dispõe de foro privilegiado está atrás das grades.

Para FHC, os grandes partidos brasileiros chegam à antessala da sucessão presidencial arrastando suas bolas de ferro. Ele escreveu a certa altura: "Não nos enganemos: por mais que as estruturas de poder continuem ativas, as marcas do que aconteceu nos últimos anos serão grilhões nos pés dos partidos e candidaturas."

Acrescentou: "Nem o PT se livrará dos muitos malfeitos que cometeu e das ilusões que enterrou, nem o PMDB sacudirá a poeira de haver formado parte não só da onda petista como de seus descaminhos, nem o PSDB deixará de pagar por ter dado as mãos ao governo Temer e de tê-las chamuscado por inquéritos."

Defensor do afastamento de Dilma e do apoio a Temer nas pegadas do impeachment, FHC disse que há argumentos para justificar os dois gestos. Mas se absteve de enumerá-los. Virou a página: "Daqui por diante, o capítulo é o futuro. É diante dele que os partidos terão que se posicionar."

Anotou que "o PT está com a sorte colada à de Lula". Quanto ao destino de Lula, disse estar "nas mãos da Justiça." Condenado por Sergio Moro a 9 anos e meio de cadeia, Lula aguarda o julgamento do recurso que interpôs no TRF da 4ª Região, em Porto Alegre. Se a sentença de Moro for confirmada, o pajé do petismo vira um ficha-suja. Pior: pode ser preso.

"Não torço pela desgraça alheia", escreveu FHC. "Não sou juiz, não quero e não devo opinar na matéria. Melhor é supor que Lula dispute as próximas eleições." O líder máximo dos tucanos dá de ombros para as pesquisas que acomodam Lula na liderança da corrida sucessória: "Suas chances de vitória não são grandes."

Atrasando o relógio, FHC realçou: "Derrotei Lula duas vezes […]. Por que ganhei? Porque Lula e seu partido se isolaram no que imaginavam ser a classe trabalhadora, com seus porta-vozes intelectuais. Quando Lula ganhou minha sucessão [em 2002] foi porque ele e seu partido, com a Carta aos Brasileiros e outras ações mais, se aproximaram da classe média e saíram do gueto, alargando sua base de apoio original. Desenhada a vitória e alcançado o poder, o establishment se juntou aos vitoriosos, sem temor de ser prejudicado."

Na opinião de FHC, Lula e o PT "voltaram para suas trincheiras originais." De resto, chegam a 2018 com o discurso embaralhado: "Tentarão relembrar os dias gloriosos da bonança econômica para que o eleitorado se esqueça dos escândalos de corrupção, das desventuras a que levaram a sociedade e da recessão que produziram na economia. São competidores, portanto, derrotáveis."

Ironicamente, FHC expôs a fragilidade do PSDB ao discorrer sobre as opções a Lula. Não citou nem o governador paulista Geraldo Alckmin, nem a criatura dele, o prefeito paulistano João doria. Escreveu que a eventual derrota de Lula depende "de saber que partidos e líderes formarão os 'outros lados'."

Acrescentou que do lado oposto ao de Lula "poderão estar os que 'jogam por fora' dos grandes partidos, como Marina e, em sentido menos autêntico e mais costumeiro, candidaturas 'iradas', tipo Ciro Gomes. Só que no momento desponta outra candidatura ainda mais 'irada' e mais definida no espectro político, a de Bolsonaro."

De Bolsonaro, afirmou FHC, "sabemos que é 'linha-dura' contra a desordem e a bandidagem, mas pouco se sabe —ao contrário de Marina— sobre o tipo de sociedade de seus sonhos (e meus pesadelos…)." O articulista mencionou até a hipótese de surgir um aventureiro, que chamou de "easy rider". Mas não se dignou a citar o nome dos tucanos, que aparecem nas pesquisas com um mísero dígito.

FHC tampouco citou o ministro Henrique Meirelles, que sonha em reeditar sua trajetória, migrando da pasta da Fazenda para o Palácio do Planalto. Incluiu o partido de Meirelles, o PSD, entre as legendas do pelotão retardatário, que não dispõem de pilotos capazes de subir ao pódio.

Eis o que escreveu FHC: "O PMDB faz tempo que maneja o Congresso e sabe imiscuir-se na máquina pública, mas não parece ser um time pronto para disputar a pole position. O DEM, o PSB ou o PSD e os demais não têm nomes fortes para a cabeça de chapa, embora possam pesar se ingressarem em um conglomerado que seja 'centrista', mas olhe à esquerda, por mais que tal ginástica custe a alguns deles."

"E o PSDB?", perguntou FHC a si mesmo. "Pode apresentar algum nome competitivo. Mas precisa passar a limpo o passado recente. Deveria prosseguir no mea-culpa apresentado na televisão sob os auspícios de Tasso Jereissati, sem deixar de dar a consideração a quem quase o levou à Presidência."

Quer dizer: Além de não mencionar o nome de Alckmin, um presidenciável com contas a ajustar na Lava Jato, o grão-mestre do PSDB pede que a legenda tenha "consideração" com o Aécio Neves, um personagem que trocou a biografia de ex-presidenciável por um prontuário que inclui nove inquéritos e R$ 2 milhões repassados pela JBS por baixo da mesa. Nesse ritmo, o PSDB acabará passando seus desacertos recentes a sujo, não a limpo.

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.