Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Dez, nota dez para a escola Unidos da Barbárie!

Josias de Souza

13/02/2018 05h08

Se é verdade que o Brasil tornou-se um país em degradação, o Rio de Janeiro é o cartão-postal da decomposição. A ex-Cidade Maravilhosa passou da pós-modernidade para a fase pós-falimentar sem o estágio intermediário de pelo menos algo para chamar de bons tempos. Neste Carnaval de 2018, o carioca compartilha com os turistas a sensação de estar no epicentro do insolúvel.

A escola de samba que mais brilha na cidade é a Unidos da Barbárie. Ninguém sabe com precisão quando começou a desfilar. Mas todos têm consciência de que sua evolução ainda vai durar muitos carnavais.

O surto de arrastões, assaltos e mortes não é propriamente uma novidade. Mas há algo de original no Carnaval do pânico: a classe média de Copacabana e a burguesia de Ipanema e do Leblon, que já não contavam com a proteção do Estado esculhambado, foram abandonadas também pelo crime organizado.

Noutros tempos, o Comando Vermelho e seus congêneres tinham o hábito de conter a bandidagem durante os períodos festivos. Faziam isso não por boniteza, mas porque a violência prejudicava os negócios da indústria da droga, a mais próspera do Rio de Janeiro. Com a ruína econômica do Estado, pivetes e bandidos pés-rapados fugiram ao controle.

Sem o auxílio dos traficantes, as supostas autoridades incumbidas de prover proteção limitam-se a transferir a responsabilidade para as potenciais vítimas. Porta-voz da Polícia Militar do Rio, o major Ivan Blaz orientou os foliões a "não ostentar joias, nem ficar com celular fazendo selfie no meio da multidão." Heim?!?

"São recomendações que são repassadas pelas autoridades de segurança no mundo todo", prosseguiu o major. "Em Paris ou Nova York, você vai receber as mesmas recomendações da força policial." Hummm… "É uma realidade cruel. Pedir que a pessoa não faça selfie, que não registre aquele momento de festividade, é lamentável. Mas infelizmente é uma realidade que vivemos."

Quer dizer: considerando-se que a violência é um dado imutável da realidade, os órgãos de segurança do Rio, para cumprir adequadamente suas atribuições, precisam trocar de clientela. Essas pessoas que brincam o Carnaval na cidade são de péssima qualidade. Poder-se-ia imaginar que a solução passaria pela importação de foliões mais, digamos, nova-iorquinos ou parisienses. Mas a bandidagem brasileira não costuma exigir dos assaltados a apresentação do passaporte.

Nesse contexto, resta enaltecer a escola de samba do mal. Merece dez, nota dez. Por duas razões: 1) Escancarou a miséria administrativa resultante de décadas de populismos —do chaguismo ao cinismo corrupto de Sergio Cabral, este carioca de algema. 2) Consolidou a noção de que o Rio de Janeiro é o lugar ideal para fazer algo inteiramente novo. Caos não falta.

Sobre o Autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o Blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.