Blog do Josias de Souza

STF mira em Jucá e o tiro resvala em Meirelles

Josias de Souza

Numa trapaça do destino, no mesmo instante em que articula a transferência de Henrique Meirelles do PSD para o (P)MDB, o senador Romero Jucá foi convertido em réu pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal. Ao se colocar inadvertidamente na linha de tiro, o ministro da Fazenda tem a chance de perceber que a ideia de se transferir para o partido de Michel Temer o obriga a fazer a contabilidade do seu projeto presidencial todos os dias. Pode ser que amanhã, antes mesmo de inaugurar seu novo empreendimento político, Meirelles já não tenha caixa.

O ativo de Meirelles é mixuruca. Ele frequenta as pesquisas com apenas 1% das intenções de voto. A despeito disso, o ministro da Fazenda se dispõe a fazer durante a campanha eleitoral a defesa do legado de Temer, um presidente reprovado por oito em cada dez brasileiros. Meirelles cultiva a ilusão de que passará a campanha exibindo nos debates o que imagina ser o seu grande ativo: o fim da recessão. Começa a se dar conta de que levará para a disputa também o rastro pegajoso do (P)MDB, que inclui de Temer a Jucá, passando por um interminável etcétera.

Na sua célebre conversa com o delator Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, Jucá parecia profético: tem que mudar o governo para “estancar a sangria”, num grande acordo nacional, “com o Supremo, com tudo.” Hoje, o apologista da candidatura presidencial de Meirelles arrasta 13 processos criminais. Três já evoluíram para o estágio da denúncia. Agora, um chega à fase da ação penal.

A sangria pode não ter virado hemorragia. Mas o fluxo de sangue se manteve contínuo. E pode aumentar se o Supremo concluir o julgamento em que já foi alcançada a maioria a favor da flexibilização do foro privilegiado. Como disse certa vez o próprio Jucá, “se acabar o foro, é para todo mundo. Suruba é suruba.” É nesse pântano moral que Meirelles cogita estacionar sua projeto presidencial.