PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Deltan recorrerá a jejum e oração pela manutenção da prisão de Lula no STF

Josias de Souza

02/04/2018 03h39

Coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, o procurador Deltan Dallagnol classificou a próxima quarta-feira de 'Dia D da luta contra a corrupção." Nessa data, o Supremo Tribunal Federal julgará o pedido de Lula para não ser preso —mesmo depois que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região rejeitou o último recurso contra sua condenação a 12 anos e 1 mês de cadeia. Defensor da manutenção da prisão de condenados em segunda instância, Deltan anotou nas redes sociais que "o cenário não é bom". Decidiu recorrer até à força divina: "Estarei em jejum, oração e torcendo pelo país."

Sem mencionar o nome de Lula, Deltan anotou que uma derrota no Supremo produzirá a impunidade da "maior parte dos corruptos de diferentes partidos". Noutra nota, o procurador rememorou que a corrupção produz "doenças, mortes, fome, desigualdade." Escreveu que combater o flagelo "é uma questão de justiça social e de direitos humanos." E reiterou que o esforço precisa passar pela redução da impunidade.

Junto com outros procuradores e o juiz Sergio Moro, Deltan vem sustentando em público a tese segundo a qual a reversão da regra sobre prisão na segunda instância será letal para a Lava Jato e outras operações anticorrupção. Por duas razões: além de esvaziar as celas, o eventual recuo do Supremo empurrará para as calendas gregas as punições, pois os condenados recorrerão em liberdade aos tribunais superioresa por prazos que podem chegar a uma década. Nesse período, muitos crimes irão prescrever.

No caso de Deltan, a evocação de Deus não é algo gratuito. Evangélico, o coordenador da Lava Jato se define no perfil que o identifica no Twitter como um "seguidor de Jesus". Também evangélico, Marcelo Bretas, o juiz da Lava Jato no Rio de Janeiro, ecoou o procurador de Curitiba na web, prometendo acompanhá-lo nas orações.

O problema é que as orações talvez não sejam suficientes para deter um fenômeno que ganhou proporções infernais: nos sonhos dos políticos que têm contas a ajustar com a lei, há sempre um Supremo receptivo aos embargos auriculares.

Encrencados e cúmplices conversam com certos ministros da Suprema Corte com incômoda frequência. E alguns desses ministros, sentados à direita de Deus, comportam-se como se tivessem simpatia pela ideia de anestesiar a Lava Jato e operações assemelhadas.

Vai ficando claro que Deus, embora exista, já não dá expediente em tempo integral. Ele ainda está em toda parte, mas parece ter deixado o Supremo de lado, para cuidar de outra coisa.

No caso de Lula, de resto, se o salvo-conduto que o Supremo concedeu para evitar que a prisão ocorresse antes da Semana Santa revela alguma coisa é o seguinte: Deus fez o mundo em sete dias apenas porque ainda não havia habeas corpus preventivo. Hoje, levaria uns dez anos.

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.