Blog do Josias de Souza

Aécio, Temer e Lula esperneiam do mesmo jeito

Josias de Souza

Como se distingue um social-democrata de um direitista e de um esquerdista? Até outro dia era fácil. Bastava verificar o comportamento de cada um. Mas na fase atual —pós-ideológica e pré-falimentar— a maneira de proceder não quer dizer mais nada. Atirados num tanque com lama, Aécio Neves, Michel Temer e Lula deslocam suas massas na mistura viscosa e esperneiam da mesma maneira.

Os três exibem manias de perseguição e alegações esfarrapadas muito parecidas. Não há como diferenciá-los estatisticamente. O quase-réu, o denunciado e o condenado fervem à mesma temperatura. Quando estão fora de si, exibem com mais nitidez o que têm por dentro. A velha lenda segundo a qual o direitista e o esquerdista são mais cínicos do que o social-democrata está inteiramente desacreditada.

Se as manifestações mais recentes de Aécio serviram para alguma coisa foi para demonstrar que, ao virar sapo, o príncipe do tucanato não aumenta nem diminui a taxa de cinismo do seu discurso —conserva nos mesmos 100%. Como já fizeram Temer e Lula, o tucano apresentou-se como uma vítima inocente das mentiras da Procuradoria e de uma armação do delator com os investigadores. Disse Aécio aos jornalistas na véspera de viar réu:

''Se a Procuradoria-Geral da República tem conhecimento prévio das gravações, essas são nulas. E a PGR tinha ciência prévia. Joesley Batista saiu de uma reunião de várias horas com a PGR para fazer comigo a gravação. Não estamos falando de um cidadão exemplar, mas de um criminoso, réu confesso de mais de 250 crimes, que vai gravar alguém para transformar a conversa em algo comprometedor e receber benefício pela colaboração, como aconteceu''.

O senador tucano revelou-se capaz de tudo, menos de providenciar uma explicação razoável para o fato de sua voz ter soado na fita que captou o diálogo vadio que ele manteve, gostosamente, com um criminoso.  Vai abaixo um trecho, para refrescar a memória:

Joesley: É… A tua irmã teve lá.
Aécio: Obrigado por ter recebido ela lá.
Joesley: está… Ela me falou, me falou de fazer R$ 2 milhões pra tratar de advogado. Primeira coisa, num dá pra ser isso mais. Tem que ser…
Aécio: É?
Joesley: Tem que ser. Eu acho que pelo que a gente tá vendo tudo, pra mim e pra você… vai ser, a primeira coisa.
Aécio: Porque os dois que eu tava pensando era trabalhar no processo.
Joesley: Eu sei, aí é que tá. Assim, ó…acabou. Não tem e pronto. Primeira coisa: eu consigo… que é pouco, mas é das minhas, é das minhas lojinhas, que eu tenho, que caiu a venda…

Nesse aponto, o senador pergunta ao benemérito da da JBS como seria a entrega do dinheiro.

Aécio: Como é que a gente combina?
Joesley: Tem que ver. Vai lá em casa, ou…
Aécio: O Fred.
Joesley: Se for o Fred, eu ponho um menino meu pra ir. Se for você, sou eu. Só pra …
Aécio: Pode ser desse jeito…
Joesley: Entendeu? Tem que ser entre dois, não dá pra ser…
Aécio: Tem que ser um que a gente mata ele antes dele fazer delação.

Frederico Pacheco, eis o nome do primo que Aécio escalou para apanhar o dinheiro. A entrega das cédulas foi feita na sede da JBS, pelo executivo Ricardo Saud, em parcelas de R$ 500 mil. Tudo transportada em mochilas, como se não existisses bancos nem remessas bancárias.

O que distinguia Aécio de outros políticos encrencados era a falta de punição. Mas num instante em que até o senador tucano parece se encaminhar para um cadafalso, não dá mais para distingui-lo dos demais. Talvez nem com teste de DNA.