PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Aproximação de Alckmin com Temer é bombardeada dentro do próprio PSDB

Josias de Souza

08/05/2018 03h57

O presidenciável tucano Geraldo Alckmin confirmou a correligionários que telefonou para Michel Temer na semana passada. Disse que deve se encontrar com o presidente nos próximos dias. A aproximação gerou duras críticas dentro do próprio PSDB. Até mesmo tucanos próximos a Alckmin classificam o movimento como equivocado. Receia-se que o candidato, já às voltas com dificuldades para se firmar na campanha, seja contaminado pela impopularidade radioativa de Temer. Sete em cada dez brasileiros desaprovam o presidente, segundo o Datafolha.

As relações entre Alckmin e Temer viviam uma fase glacial havia mais de seis meses. O presidente não se conformava com o fato de a bancada federal do PSDB de São Paulo ter votado majoritariamente a favor das duas denúncias da Procuradoria da República contra ele, no ano passado. Em contraposição, os apoiadores de Alckmin enxergavam o distanciamento em relação a Temer como um "ativo eleitoral", algo a ser trombeteado na campanha. O plano ficará comprometido se a fase do degelo resultar num acordo formal do PSDB com o (P)MDB.

O aceno de Alckmkin em direção a Temer foi precedido de uma visita de Fernando Henrique Cardoso à casa do presidente, em São Paulo, no feriado de 1º de Maio. O grão-mestre do tucanato ouviu do anfitrião uma vigorosa defesa da unificação dos partidos ditos de centro em torno de uma única candidatura presidencial. Até então, Alckmin não cogitava atrair o MDB para sua coligação, à qual se juntaram apenas o PPS, o PSD e o PTB. Estimulado por FHC, o candidato tucano optou por abrir diálogo com Temer. Diz aos críticos que não há, por ora, vestígio de acerto.

Integrantes da ala do PSDB que faz a apologia da candidatura de Alckmin enxergam na mudança de estratégia um quê de desespero. Atribuem o ajuste ensaiado por Alckmin ao avanço de Marina Silva (Rede), Joaquim Barbosa (PSB) e Jair Bolsonaro (PSL) sobre o eleitorado de São Paulo. Estacionado abaixo dos dois dígitos nas pesquisas, Alckmin estaria apostando suas fichas na propaganda eleitoral no rádio e na TV. Uma aliança com o MDB aumentaria sua vitrine eletrônica.

Embora não desprezem a importância da propaganda, os aliados do candidato temem que o preço a pagar seja alto demais. Um deputado tucano disse: Vamos passar a campanha arrastando o governo Temer como uma bola de ferro. Um senador declarou: Já vi muito político acompanhar governante impopular até a beirada da cova. Mas ainda não tinha visto um candidato que se dispusesse a pular no buraco.

O pedaço do tucanato que torce o nariz atribui o interesse de Temer à sua precariedade penal. Nessa versão, o presidente estaria empenhado em unificar o centro apenas porque sua candidatura à reeleição derreteu e ele precisa de aliados no poder capazes de suavizar seu encontro com a Justiça, a partir de 1º de janeiro de 2019. Imagina-se que Temer e seu séquito de auxiliares encrencados estejam sofrendo uma recidiva da alucinação que leva poderosos impotentes a imaginar que ainda é possível estancar, de cima para baixo, a sangria da Lava Jato. Até aqui, todo mundo que fez essa aposta perdeu.

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.