Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Delatado, Lupi suja a ‘hegemonia moral’ de Ciro

Josias de Souza

2013-06-20T18:03:33

13/06/2018 03h33

Ciro Gomes, o presidenciável do PDT, adota uma retórica encrespada ao falar sobre corrupção. Chama Michel Temer de "escroque". Eleito, desmontará o MDB, porque o partido "só existe para roubar". Eventuais alianças com PP, DEM e assemelhados, só seriam cogitadas depois de um acerto com PSB e PCdoB, "porque a hegemonia moral e intelectual do rumo estará afirmada." Sempre em riste, a língua de Ciro ganhou um desafio novo. Carlos Lupi, o presidente do PDT, foi delatado como beneficiário de uma mesada de R$ 100 mil mensais fornecida pela quadrilha do ex-governador fluminense Sérgio Cabral.

Carlos Miranda, um dos principais auxiliares de Cabral, operador financeiro da quadrilha que saqueou os cofres do Rio de Janeiro, disse em delação premiada o seguinte:

1) No ano de 2012, o então secretário de governo da gestão de Cabral, Wilson Carlos, ordenou que transferisse para Carlos Lupi R$ 100 mil por mês em verbas clandestinas.

2) O dinheiro era entregue na sede do PDT por emissários de Renato Chebar, um dos doleiros que operavam para a quadrilha de Cabral.

3) Quem recebia a mesada em nome de Lupi era um personagem que o delator chamou de "senhor Loureiro", tesoureiro do PDT.

4) O mensalão de Lupi durou do início de 2012 até março de 2014.

Lupi nega os recebimentos. Sustenta que jamais manteve nenhum tipo de relação com o delator. Mas a Polícia Federal e a Procuradoria já dispõem de matéria-prima para fazer o seu trabalho. O desafio de Ciro é encaixar a sujeira sob investigação na sua fórmula da "hegemonia moral". O candidato decerto sabia dos riscos que corria ao falar de corda em casa de enforcado.

Nomeado por Lula para comandar o Ministério do Trabalho, Lupi deslizou para dentro do primeiro governo de Dilma Rousseff. Foi varrido da Esplanada dos Ministérios pela então "gerentona" em meio a denúncias de corrupção, no final de 2011. Por uma dessas coincidências implacáveis, a alegada mesada do esquema de Cabral começou a entrar no ano seguinte.

No momento, Ciro precisa de uma vacina capaz de imunizar sua campanha. Enquanto procura, talvez devesse fazer um pedido a Lupi. Diria algo assim para o correligionário encrencado: "Não diga nenhuma mentira que não possa provar."

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o Blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.