Blog do Josias de Souza

2018 faz de 2013 o ano mais longo da história

Josias de Souza

A história que começou a ser escrita em junho de 2013 tornou-se um pesadelo do qual o Brasil não consegue acordar. Há cinco anos, as ruas roncaram para reivindicar menos roubalheira, mais prosperidade e serviços públicos decentes. O sistema político ofereceu uma espécie de Bolsa Teatro. Entrou em cartaz um espetáculo de cinismo, desemprego e descaso. A sucessão de 2018 revela que o público não foi devidamente ensaiado para a encenação.

Desenvolveram-se muitas teorias para tentar explicar o fenômeno que explodiu em junho de 2013. Cada um enxerga o que lhe convém. Mas todas as teses convergem para um mesmo ponto: quem deveria ter oferecido soluções virou parte dos problemas. Reeleita em 2014 ao final de uma campanha marcada pela mentira, Dilma entregou o avesso do que prometera. Aquecido pela Lava Jato, o asfalto ferveu até obter o impeachment.

Além de produzir uma ruína econômica jamais vista, Dilma deixou como herança Michel Temer, um substituto constitucional apodrecido. Colou-se na frente do teatro um cartaz novo: “Ponte para o Futuro”. A ponte revelou-se uma pinguela construída sobre um rio de lama.

O Tribunal Superior Eleitoral poderia ter cassado a chapa Dilma-Temer numa fase em que ainda era possível convocar novas eleições. Contudo, sob a presidência de Gilmar Mendes, o TSE julgou tarde e decidiu mal. Financiada com verbas roubadas, a chapa foi absolvida por excesso de provas.

Ao sentir o cheiro de enxofre, um pedaço do eleitorado disse a si mesmo: “Se este é o Brasil do futuro, me dêem um do passado”. Repaginou-se a polarização. De um lado, o grupo que recuou à era do autoritarismo fixou-se em Bolsonaro. Na outra ponta, a ala que voltou aos tempos do ‘rouba, mas faz’ optou por um Haddad que diz ser Lula.

Abaixo da dupla, gente como Ciro, Alckmin e Marina grita para o eleitor: “Tem certeza? Pense bem! Deve estar havendo algum engano”. Ninguém enxerga defeitos no próprio umbigo. Ciro massageou Lula, flertou com o centrão e falou em colocar procuradores e juízes “na caixinha”. Alckmin fechou negócio com o centrão, serviu refresco a Aécio e convive com um rastro pegajoso que inclui mimos eleitorais de R$ 10 milhões da Odebrecht. Marina paga o preço de ter tomado chá de sumiço depois de ser moída pela marquetagem de Dilma.

Se 2018 revela alguma coisa é que 2013 tornou-se o ano mais longo da história. E ainda vai longe. Os eleitores mais velhos, já meio cansados de tanta experiência, comportam-se como se o país não tivesse futuro. Os mais jovens, sem experiência, acham que não há um passado. O Brasil vai às urnas de saco cheio de sua própria realidade.