Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Desgaste da Lava Jato reduz operações especiais da PF, declara novo diretor

Josias de Souza

21/11/2018 19h22

Indicado por Sergio Moro para o posto de diretor-geral da Polícia Federal, o delegado Maurício Valeixo fez uma avaliação pessimista em palestra que proferiu no último dia 27 de março. Considerou "extremamente preocupante" que o quadro funcional da PF seja hoje "menor do que foi há dez anos." Citando a Lava Jato como exemplo, disse que a "complexidade" das operações especiais produz um "desgaste natural". E previu uma queda no número de ações em 2018 e 2019. A redução se aprofundará, disse o delegado, "até que nós tenhamos a recuperação do efetivo."

Valeixo falou a convite de uma entidade paranaense chamada Instituto Democracia e Liberdade. O tema de sua palestra foi: "O papel da Polícia Federal na atual conjuntura nacional". Durante quase 50 minutos, o preferido de Moro disse o que pensa sobre temas sensíveis como combate à corrupção, caixa dois, sigilo das investigações, liberdade de imprensa, Judiciário e democracia. O vídeo que abre esse post traz um resumo dos conceitos e das apreensões do futuro chefe da PF. A íntegra da palestra está disponível aqui.

Ao falar sobre a importância de o país dispor de "instituições independentes", Valeixo declarou que o papel da Polícia Federal não é o de servir ao governo. O órgão deve "atender ao Estado, à sociedade brasileira". Considera a liberdade de imprensa "muito importante". Atribuiu parte do sucesso da Lava Jarto ao trabalho da imprensa, que permitiu "a vigilância da sociedade". Considera relevantes os aplausos e as críticas.

O delegado classificou a corrupção brasileira de "sistêmica". Citou Sergio Moro ao defender uma prática adotada nas investigações da força-tarefa de Curitiba. Para Valeixo, as verbas públicas não estão sujeitas ao sigilo bancário e fiscal que protege as contas bancárias de pessoas físicas e empresas. "Não podemos falar em sigilo para recurso público. Esse dinheiro é nosso."

Na opinião de Valeixo, qualquer reforma a ser feita no país —do modelo fiscal ao modelo político— tem que levar em conta a necessidade de "preservar os valores democráticos." Enfatizou: "Se existe caminho, é a política. Não consigo imaginar um outro caminho." Acrescentou que a baliza para as reformas é a Constituição.

Pregou o respeito às instituições. "Se nós atropelarmos isso sob a justificativa de que precisamos mudar alguma outra coisa, o final dessa história é problemático. Temos que respeitar o Poder Judiciário. (…) Eu tenho que aceitar a decisão do Judiciário."

Segundo Valeixo, há 9.900 policiais na PF. O quadro administrativo soma 1.800 funcionários. Os pedidos de aposentadoria chegam a 300 por ano. "É um cenário que nos preocupa. Não falo nem a médio prazo, mas a curto prazo." Vem daí a previsão do delegado de que o número de operações especiais vai minguar.

O governo de Michel Temer abriu 500 novas vagas para a PF. "É um alívio, mas não resolve o problema", lamentou Valeixo. O cenário traçado por ele revela um fenômeno que, em linguagem aeronáutica, seria chamado de cansaço de materiais.

As operações especiais da PF deram um salto. Em 2013, foram 303, das quais 78 voltadas para investigação do desvio de dinheiro público. No ano passado, realizaram-se 538 operações, sendo 170 contra corrupção. Segundo Valeixo a PF tem dificuldade para substituir os policiais que se desgastam nesse tipo de ação.

"Muitos passaram esses quatro anos longe das suas famílias", disse Valeixo, referindo-se à Lava Jato, uma operação que ele acompanhou diretamente como chefe da Superintendência da PF no Paraná. Afora a tensão provocada pela investigação, há desgastes colaterais. Por exemplo: os processos judiciais abertos por investigados contra agentes federais que estão "na linha de frente".

Quando fez tais avaliações, Valeixo não poderia supor que viraria diretor-geral da PF antes do Natal. Resta agora saber o que fará para contornar o problema que tachou de "extremamente preocupante." Afinal, seu novo chefe, o futuro ministro Sergio Moro (Justiça) elegeu como prioridade a implementação de um projeto que reforce o combate à corrupção e ao crime organizado.

Sobre o Autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o Blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.