PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Onyx fez tatuagem para lembrar ‘erro’ do caixa 2

Josias de Souza

10/12/2018 06h58

A denúncia de recebimento de caixa dois não marcou apenas a biografia de Onyx Lorenzoni. Produziu também numa marca indelével na pele. O futuro chefe da Casa Civil do governo de Jair Bolsonaro mandou tatuar no braço um versículo bíblico (João 8:32): "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará."

"Eu fiz isso para que eu nunca mais erre. Isso é para me lembrar do dia em que eu errei", explicou Onyx numa entrevista que foi ao ar na madrugada desta segunda-feira (10), no programa Canal Livre, da Band. "Isso é pra mim, não é para sair por aí mostrando", disse ele, enquanto exibia a inscrição gravada no corpo.

Jair Bolsonaro adota o mesmo trecho da Bíblia como lema de vida. Repetiu-o à saciedade ao longo da campanha. Mas Onyx disse que sua tatuagem não é nova. Foi feita em 2016, quando veio à luz a notícia de que ele recebera R$ 100 mil por baixo da mesa na campanha para deputado em 2014. Pilhado numa delação, ele admitiu o "erro" e pediu perdão. Agora, enfrenta uma investigação preliminar autorizada pelo STF relacionada a um novo caixa dois de R$ 100 mil, surgido na delação da JBS. Coisa de 2012.

A conversa com a Band foi gravada na noite de sexta-feira. Horas antes, numa entrevista conturbada, Onyx dissera estar tranquilo porque já havia se acertado com Deus. Alheio ao fato de que seu acerto com o Todo-Poderoso não resolve as pendências na Procuradoria-Geral da República, o ministro reiterou sua profissão de fé.

"Respeito quem não tem fé, mas eu sou um cara de fé. Para mim, o mais importante era eu me resolver com o meu Deus. Pode olhar nos meus olhos, aqui tem a verdade. Eu nunca temi a verdade." Na versão de Onyx, não se pode falar em crime porque "não havia contrapartida alguma." Portanto, "não há corrupção."

Onyx disse estar tranquilo quanto ao resultado da nova investigação autorizada pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo. "Esta abertura de investigação preliminar me vai dar a condição de ir lá, fazer os esclarecimentos e resolver de uma vez por todas."

Questionado sobre a movimentação suspeita de R$ 1,2 milhão na conta do ex-motorista do senador eleitor Flávio Bolsonaro, dos quais R$ 24 mil foram parar na conta da futura primeira-dama Michelle Bolsonaro, Onyx declarou: "Essa questão terá que ser desdobrada na investigação." Para ele, o barulho produzido pela novidade é excessivo.

"O funcionário é lá do gabinete do filho [de Jair Bolsonaro]. Certo, é o filho do presidente. Agora, há um certo estardalhaço para além do que eu acho que é necessário ser feito. E há sempre uma tentativa de desagastar a imagem do presidente eleito."

Nas palavras de Onyx, Bolsonaro também "não teme o enfrentamento da verdade." O ministro tentou explicar a irritação que exibira ao tratar do assunto numa entrevista coletiva realizada antes da gravação do programa na Band. Declarou que tivera  uma "altercação com um jovem repórter." Por quê?  Achou "que ele foi muito agressivo" no seu questionamento, "e o presidente não merece isso."

Para Onyx, Bolsonaro "já viveu" coisa semelhante durante a campanha eleitoral. "Todos nós testemunhamos um processo de tentativa de detruição de sua imagem pública. E o resultado a gente viu: 57 milhões de brasileiros veem nele a esperança do Brasil."  (Assista no vídeo abaixo o episódio que Onyx chamou de "altercação com um jovem repórter").

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.