Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Fisiologismo namora governo e é correspondido

Josias de Souza

08/02/2019 20h18

Brasília voltou a respirar uma atmosfera de bazar. A disposição do governo para acabar com o chamado toma-lá-dá-cá diminui à medida que cresce a percepção de que Jair Bolsonaro não sairá do lugar sem uma base congressual que lhe permita aprovar as reformas que prometeu. A movimentação do ministro Onyx Lorenzoni, chefe da Casa Civil, dá uma ideia do que está acontecendo.

No mês passado, na primeira semana depois da posse do novo governo, o ministro exonerou 320 servidores lotados em cargos de confiança na Casa Civil. Embora seu antecessor na pasta fosse Eliseu Padilha, do bom e velho MDB, Onyx chamou a demissão coletiva de "despetização". Ele informou que, em reunião com todos os ministros, Bolsonaro referiu-se a essa canetada como um exemplo a ser seguido em todos os ministérios. Era lorota.

Numa extraordinária meia-volta, Onyx comunicou aos ministros que está suspensa a dança de cadeiras nos órgãos federais. Deve-se a mudança de orientação a uma chiadeira de congressistas que brigam não para ocupar, mas para manter cargos que já controlam na máquina estatal. Alguns desses parlamentares são fisiológicos profissionais. Apoiavam Fernando Henrique Cardoso. Continuaram apoiando Lula. Deram suporte a Dilma. Derrubaram Dilma para manter seus espaços sob Michel Temer. Agora, namoram a gestão Bolsonaro. E são plenamente correspondidos.

No momento, o governo realiza um grandioso mapeamento de cerca de 20 mil poltronas. Deseja identificar o nome dos políticos que apadrinharam cada nomeação. Se tiver disposição para aprovar as reformas de Bolsonaro, mantém o assento. Do contrário, vai para o olho da rua. Atendidos, certos parlamentares oferecem quase tudo ao Planalto. Só não oferecem a honra porque têm medo de que seja exigido certificado de origem.

Sobre o Autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o Blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.