Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Gilmar X Receita, essa briga pede a luz do Sol

Josias de Souza

08/02/2019 16h34

Instalou-se no dorso da orelha da República uma pulga radioativa. Ela surgiu de uma queda de braço entre a Receita Federal e o ministro do Supremo Gilmar Mendes. Notícia da Veja informa que o Fisco abriu procedimento para perscrutar 'focos de corrupção, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio ou tráfico de influência' de Gilmar e sua mulher, a advogada Guiomar Mendes.

O magistrado acusa os agentes do fisco de "abuso de poder". E parte para o ataque: "Causa enorme estranhamento e merece ponto de repúdio o abuso de poder por agentes públicos para fins escusos, concretizado por meio de uma estratégia deliberada de ataque reputacional a alvos pré-determinados"

Acionado por Gilmar, o colega Dias Toffoli, presidente da Suprema Corte, enviou rapidamente ofícios à procuradora-geral da República, Raquel Dodge; ao ministro da Economia, Paulo Guedes; e ao Secretário da Receita, Marcos Cintra. Solicitou a todos a "devida apuração e adoção das providências cabíveis".

Diante de acontecimentos tão incômodos, a pulga que se instalou atrás da orelha da República faz a si mesma uma pergunta que interessa a todos os brasileiros que votaram em Jair Bolsonaro sonhando com a restauração dos costumes e que enxergam no Supremo um oásis de moralidade em meio à devassidão.

Eis a interrogação que atormenta a pulga: o governo do capitão transformou a Receita Federal num paiol que estoca "ataques reputacionais" ou a instância suprema do Judiciário brasileiro convive com 'focos de corrupção, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio"? A resposta, seja qual for, conduz a um quadro que nenhum contribuinte em dia com os seus tributos pode aceitar.

Por sorte, Gilmar Mendes dispõe de uma vacina capaz de imunizá-lo contra a bisbilhotice sem causa da Receita. Trata-se de um remédio sem contraindicação: Luz do Sol.

Funciona assim: o ministro requisita cópia dos autos da investigação fiscal, esquadrinha as malandragens dos auditores, convoca os refletores e joga no ventilador todas as evidências irrefutáveis de "abuso de poder". É mais rápido e menos tóxico do que um ofício de Dias Toffoli requisitando a "devida apuração". Apuração de quê? A reputação do ministro, por ilibada, não merece a dúvida de uma pulga.

Sobre o Autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o Blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.