PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Kátia Abreu pede ao chanceler: ‘Reze em mandarim pelo comércio com a China’

Josias de Souza

21/03/2019 03h15

Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores, disse em aula magna no Itamaraty: "Queremos vender soja e minério de ferro, mas não vamos vender nossa alma à China". A frase provocou na senadora Kátia Abreu, especialista em agronegócio e estudiosa do comécio com os chineses, a sensação de que o Itamaraty tornou-se uma espécie de hospício dirigido pelos loucos. Nesta quarta-feira (20), a senadora decidiu escrever para o chanceler. Na carta, pediu-lhe que reze.

A senadora anotou: "Senhor ministro Ernesto Araújo, li que o senhor é um homem temente a Deus. Também tenho fé e peço-lhe que reze, em português e em mandarim, para manter e ampliar nossas relações comerciais com a China. É a coisa certa a fazer."

Ex-presidente da Confederação Nacional da Agricultura e ex-ministra da Agricultura, Kátia Abreu avalia que, se não pode ajudar, "não é justo" que Ernesto Araújo "venha causar desassossego e provocar turbulências com declarações que podem nos tirar uma grande fatia do nosso mercado." A senadora informou ao ministro: "Mais de 80% da soja brasileira é exportada para os chineses."

Em matéria de comércio, Kátia Abreu segue a máxima atribuída a um velho dirigente do Partido Comunista da China. Parodiando Deng Xiaoping —"Não interessa se o gato é branco ou preto, o que importa é que ele mate o rato"—, a senadora avalia que não importa se o comprador é comunista ou capitalista, desde que ele faça suas compras no Brasil.

Assim, Kátia Abreu como que celebrou na carta o apreço de Ernesto Araújo e do governo de Jair Bolsonaro pela Casa Branca: "Temos de lutar para ter proximidade com outros países, como estamos fazendo em relação aos Estados Unidos". Mas ponderou: "Sem pôr em risco o que conquistamos na Ásia."

A senadora empilhou números e cifras na carta ao chanceler: "Nossas exportações agrícolas ultrapassam os US$ 102 bilhões ao ano, com superávits comerciais anuais superiores a US$ 88 bilhões. Estima-se que a safra agrícola deve, neste ano, alcançar 230,7 milhões de toneladas, a segunda maior da história desde 1975."

Kátia Abreu insinuou no texto que nada caiu do céu: "O maior responsável por este êxito é o agricultor. Graças a ele, nossa Agropecuária é mundialmente reconhecida pela excelência. Foi uma conquista de anos e anos de trabalho." Imodesta, ela realçou: "Estive na China e em outros países para ampliar nossas vendas." Antes de encomendar a reza ao chanceler, lembrou: "Esse setor gera mais de 30 milhões de empregos diretos no país…"

Ernesto Araújo ainda não teve a oportunidade de informar se atenderá aos apelos de Kátia Abreu. Mas ainda que o chanceler reze, não é certo que será ouvido. Deus, como se sabe, existe. Mas quem observa a atual gestão do Itamaraty percebe que o Todo-Poderoso já não é full time.

Trecho da carta endereçada pela senadora Kátia Abreu ao chanceler Ernesto Araújo

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.