Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Cabral oferece à Lava Jato podres do Judiciário

Josias de Souza

2006-04-20T19:04:29

06/04/2019 04h29

Cabral: 'Tive que fazer tratos com ministros do TCU e do STJ'

UOL Notícias

A vassoura da Lava Jato passou pelo Legislativo, pelo Executivo e pelos porões de construtoras e de "campeões nacionais". Poderosos tornaram-se impotentes. Foram ao lixão as biografias de três ex-presidentes da República. O mais popular deles, Lula, está preso há um ano. Entretanto, frustraram-se todas as tentativas de levar a faxina aos salões do Judiciário. Pois bem, Sergio Cabral se oferece à Procuradoria para abrir uma fenda capaz de conduzir aos podres de uma Corte brasiliense, o Superior Tribunal de Justiça. Chegou a hora de ouvir o que o larápio tem a dizer.

Desde que se declarou viciado em propinas, no final de fevereiro, Cabral vem jogando iscas na direção dos procuradores. Nesta sexta-feira, inquirido novamente pelo juiz Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio, o ex-governador começou a disparar suas balas perdidas para o alto. Apresentou-se como um delator serial, enfileirando alvos como o TCU, Lula, "a presidente" (pode me chamar de Dilma), Aécio Neves… A essa altura, se os procuradores deixarem de ouvir o que Cabral tem a dizer estarão flertando com a prevaricação.

Cabral repetiu no depoimento que são mesmo seus os US$ 100 milhões em propinas que a Lava Jato localizou no estrangeiro. Contou que, a partir de 2012, o dinheiro sujo "passou a ser utilizado aqui." Houve inclusive a repatriação de parte do butim "para ser usado na política". Nesse ponto, o candidato a delator declarou: "Fui achacado por parlamentares federais, tive que fazer tratos com ministros do TCU e do STJ." O depoente colocou-se "à disposição do Ministério Público."

O juiz Bretas indagou: "Teve que fazer tratos?" E Cabral: "Tive que fazer. Deputados e senadores. Enfim, tive que atender a presidente da República [absteve-se de mencionar o nome de Dilma], para beneficiar, aqui [no Rio], pessoas." Não teve o mesmo comedimento com o padrinho de Dilma: "O senador Crivella [hoje prefeito do Rio] foi fazer queixa ao presidente Lula de eu não ter aproveitado ele no governo. E eu dei ciência ao presidente Lula. O presidente Lula sabia que eu tinha pago propina. Disse a ele na sala do Planalto".

Cabral referia-se a uma acusação que acabara de fazer no seu depoimento. Contou que Marcelo Crivella, atual prefeito do Rio, vendeu seu prestígio político na eleição municipal de 2008. Cabral disse ter providenciado com o empresário Eike Batista US$ 1,5 milhão para comprar o apoio de Crivella à candidatura de Eduardo Paes, que representou seu grupo político na disputa pela prefeitura.

Cabral aponta dedo-duro para 'membros do Tribunal de Justiça' do Rio

UOL Notícias

Noutro trecho do depoimento, Cabral suou o dedo na direção do Judiciário estadual. Afirmou que o "esquema criminoso" montado com as empresas de ônibus do Rio "abarcava Ministério Público, Alerj, governo do Estado. Marcelo Bretas interveio: Executivo, Legislativo, na Alerj…" Cabral apressou-se em acrescentar: "E membros do Tribunal de Justiça."

Alguns dos acenos que Cabral faz à Procuradoria se parecem muito com pés de cabra para forçar portas já arrombadas. Ao esmiuçar a caixinha dos ônibus, ele empurra para dentro do caldeirão desafetos como Moreira Franco, o casal Anthony e Rosinha Garotinho e até um morto: Leonel Brizola.

Na parte em que apontou seu dedo duro na direção de Brasília, mencionou no atacado, sem citar nomes, os "achaques" de parlamentares. No varejo, levou aos lábios o nome de Aécio Neves. Disse que mandou "dar" R$ 3 milhões ao grã-tucano na campanha presidencial de 2014: R$ 1,5 milhão proveniente de propinas da Fetranspor, a federação das empresas de ônibus; e R$ 1,5 milhão da caixa clandestina da OAS.

Larápio de mostruário, Cabral acumula condenações que somam 198 anos de cadeia. Já deixou claro que deseja tornar-se um colaborador da Justiça. Num primeiro depoimento, deu a impressão de que desejava, na verdade, migrar da condição de colecionador de sentenças para a de administrador de uma delação seletiva. Ignorado, o presidiário exibe disposição para levar à mesa segredos úteis à Lava Jato. Não resta aos investigadores senão ouvir o que Cabral tem a dizer.

Se o ex-presidente da Alerj, ex-senador, e ex-governador por oito anos adicionar carne no seu angu, pode-se oferecer ao prisioneiro algum conforto e à mulher dele, Adriana Anselmo, um refresco. Se o lero-lero de Cabral vier desacompanhado de provas ou de pistas que possam conduzir a elas, sua confissão não valerá nada. Não há outra maneira de saber se o gatuno tem potencial para virar um dos principais delatores da Lava Jato senão virando-o do avesso num bom interrogatório.

Cabral diz ter destinado propinas para Aécio na campanha de 2014

UOL Notícias

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o Blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.