Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Em 100 dias, Bolsonaro não levou governo para a direita, puxou-o para baixo

Josias de Souza

2007-04-20T19:05:36

07/04/2019 05h36

É falsa a impressão de que Jair Bolsonaro leva o governo para a direita. Puxa-o para baixo. Sem oposição, Jair desperdiçou os primeiros cem dias criando problemas para Bolsonaro. A fatura da inépcia começa a ser cobrada, indica o Datafolha. O capitão cavalga a pior avaliação já atribuída a um presidente em início de governo desde a redemocratização, em 1985. Decepcionou até quem gosta dele. Quase metade dos seus eleitores negaram-se a avaliá-lo como um presidente ótimo ou bom.

Na campanha eleitoral, Bolsonaro não tinha um programa de governo nítido. Ele dispunha de um bordão —"Brasil acima de tudo, Deus acima de todos"— e de um versículo do Evangelho de João —"Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." Descobre agora que, embora Deus esteja em toda parte, o demônio controla o Planalto quando não há uma diretriz. Percebe que a verdade à luz do gabinete presidencial não é a mesma ao sol das filas onde se desesperam 13 milhões de desempregados.

Para prevalecer nas urnas, bastou a Bolsonaro surfar na onda do antipetismo e enrolar-se na bandeira antissistêmica. Instalado no Planalto, enviou duas reformas ao Congresso —previdenciária e anticrime— e disse que sua parte estava cumprida. Aliviado, passou a distribuir caneladas em potenciais aliados. Entre eles o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, dono da pauta de votações. Com 28 anos de experiência parlamentar, Bolsonaro não havia notado que o pior tipo de ilusão que pode acometer um presidente é a ilusão de que preside.

A ideia de que o Planalto manda e o Congresso obedece custou o mandato de Dilma Rousseff. O custo da impopularidade de Bolsonaro não será apenas político, mas financeiro. Diante do declínio da credibilidade do presidente junto ao eleitorado, o preço do reconhecimento da legitimidade de sua Presidência no Legislativo vai subir. Mantida a curva descendente do índice de popularidade, a cotação do apoio ficará pela hora da morte. A negociação não se dará no atacado, mas no varejo, projeto a projeto.

Há muitas providências óbvias que Bolsonaro precisaria adotar para fechar o dreno que sorve o seu prestígio. Por exemplo: fechar a usina de polêmicas, regulamentar os hábitos da filhocracia, tomar distância dos rolos que assediam o primogênito Flávio, desligar Olavo de Carvalho da tomada, trocar o elenco da ala circense da Esplanada (MEC, Itamaraty e Direitos Humanos), higienizar certos ministérios (o Turismo é um bom começo) e fazer política a sério. Mas isso não é o suficiente.

Quando Bolsonaro conseguir parar de conspirar contra si mesmo, terá de dedicar-se a atividades menos estéreis do que falar mal dos outros e elogiar a ditadura militar. Quem sabe encontre tempo para tarefas menores como, digamos, trabalhar. Do contrário, é melhor "jair se acostumando" com os índices de popularidade duros de roer. O capitão foi eleito para resolver problemas, não para se tornar um problema.

A legitimidade de um governante, quando desacompanhada da credibilidade que vem com os resultados, é como o amor do Soneto de Fidelidade, de Vinicius de Moraes: não é imortal, posto que é chama. É infinita enquanto dura. Mantida a marcha atual, as ruas logo ordenarão: "Pra baixo, volver!"

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.