Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Com 13º do Bolsa Família, Bolsonaro tenta ocupar última cidadela do petismo

Josias de Souza

2011-04-20T19:05:23

11/04/2019 05h23

Eleito graças ao impulso que recebeu do antipetismo, maior força eleitoral de 2018, Jair Bolsonaro realiza uma nova incursão no universo político do PT. Com a criação do 13º do Bolsa Família, o capitão invade a última cidadela do rival: os bolsões de pobreza situados nas regiões Norte e Nordeste e nas periferias das grandes cidades. O movimento coincide com a queda da popularidade do presidente.

Deve-se a iniciativa a uma promessa de campanha. Foi a forma que Bolsonaro encontrou para imunizar-se contra o veneno espalhado pelo PT de que ele acabaria com o Bolsa Família se chegasse ao Planalto. Coube ao ministro Osmar Terra (Cidadania) coordenar os estudos para colocar a providência em pé. O mimo vai custar R$ 2,6 bilhões. Alega-se que o dinheiro virá da supressão de fraudes.

Em 2011, quando era deputado federal pelo MDB do Rio Grande do Sul, o mesmo Osmar Terra escreveu no Twitter: "Um programa social que não estimula a emancipação dos chefes de família, que não promove a sua autonomia a médio prazo, é uma coleira política".

Na prática, Bolsonaro tenta retirar a clientela do Bolsa Família da "coleira política" do PT, assumindo ele próprio o controle. Imagina que, atraindo a simpatia remunerada dos membros das 14,1 milhões de famílias cadastradas no programa, transformará a invasão em ocupação. Além de asfixiar o PT, deseja obter prestígio onde não tem.

No Nordeste, por exemplo, Bolsonaro amealhou no segundo turno de 2018 apenas 30% dos votos válidos, contra 70% obtidos pelo petista Fernando Haddad. O PT elabora às pressas um discurso para se contrapor à investida do capitão. Aposta que a tentativa de sedução não surtirá o efeito idealizado pelo Planalto.

Para não cutucar o eleitorado, o PT evita criticar diretamente o 13º. Prefere alegar que o governo tirou com uma mão o que dará com a outra, pois Bolsonaro cancelou o reajuste dos benefícios em 2019. Meia verdade. A Folha fez as contas. Constatou o seguinte:

"Numa projeção do 13º diluído entre os 12 pagamentos mensais, há um acréscimo de R$ 16 no valor médio pago por mês. Se fosse aplicada a inflação (INPC) acumulada nos últimos 12 meses, ele seria de menos de metade: R$ 7,5."

Bolsonaro e o ministro Terra são defensores da tese segunda a qual o Bolsa Família precisa ter "porta de saída". Na festa de aniversário de 10 anos do programa, realizada em 2013, sob Dilma Rousseff, Lula discursou sobre o tema. Disse que a crítica à falta de porta "denota uma visão extremamente preconceituosa no nosso país."

"Significa dizer que a pessoa é pobre por indolência, e não porque nunca teve uma chance real em nossa sociedade", prosseguiu Lula. "É tentar transmitir para o pobre a responsabilidade pelo abismo social criado pelos que sempre estiveram no poder em nosso país."

Decorridos seis anos, Lula está preso e o abismo, além de continuar existindo, foi aprofundado pela ruína construída por Dilma antes do impeachment. Com 13,1 milhões de desempregados na praça, o governo é pressionado a alargar a porta de entrada do Bolsa Família. Porta de saída segura ainda não há. Mas Bolsonaro convida a clientela do programa abandonar o petismo por uma porta lateral, que conduz ao seu colo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o Blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.