Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Conversa de Dodge com Toffoli cheira a orégano

Josias de Souza

2022-04-20T19:21:23

22/04/2019 21h23

Teve cheiro de orégano o encontro do presidente do Supremo, Dias Toffoli, com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Conversaram sobre o inquérito sigiloso aberto por ele e tachado de ilegal por ela. Saíram dizendo que continua harmoniosa a relação entre a Corte e a Procuradoria. Restou uma incômoda sensação de que pode ter sido ligado durante a conversa o forno de assar pizzas.

Toffoli declarou que o Supremo "não usurpará" a competência do Ministério Público no inquérito secreto que apura ataques à Corte e ameaças aos seus membros. Alegou que, concluída a investigação, os achados serão remetidos à Procuradoria, para as devidas providências.

Ora, a usurpação já ocorreu, pois Toffoli inaugurou por contra própria —"de ofício"— um inquérito que deveria ter requisitado à Procuradoria. Atribuiu ao Supremo uma investigação policial que não orna com sua missão constitucional de julgador. Foi ao encalço de pessoas que não dispõem de foro especial. De quebra, atribuiu ao amigo Alexandre de Moraes a tarefa de relator do processo, subvertendo o caráter aleatório de um sorteio.

Na semana passada, ao requisitar o arquivamento do inquérito, apontando todas as ilegalidades que o tornaram tóxico, Raquel Dodge sinalizou o seguinte: um inquérito apinhado de nulidades não pode ser utilizado pelo Ministério Público para o oferecimento de denúncias. O relator Alexandre de Moraes deu de ombros. Mandou ao arquivo o pedido de arquivamento da procuradora-geral.

Nesta segunda-feira, horas antes da conversa de Dodge com Toffoli, Moraes dissera em Lisboa, onde se encontra, que a investigação sigilosa vai prosseguir. Ou seja, em vez de trocar amabilidades com o presidente do Supremo, a procuradora-geral deveria recorrer ao plenário da Corte contra o despacho de Moraes que indeferiu seu pedido de arquivamento. Fora disso, é pizza.

A maioria dos ministros do Supremo fará um bem inestimável à instituição se desligar rapidamente o forno. Do contrário, a temperatura tende a aumentar.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.