Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Acossado, Bolsonaro cutuca multidão com o pé

Josias de Souza

2015-05-20T19:17:05

15/05/2019 17h05

Dizer que o governo é incompetente não traduz adequadamente o que se passa no setor da Educação. Nessa área, o refinamento e o cuidado com que os erros são cometidos faz com que a incompetência seja exercida com máxima competência. Assim, quando Jair Bolsonaro chama de "idiotas úteis" os brasileiros que foram às ruas para protestar, fica evidente que a diferença entre a genialidade e a estupidez é que a genialidade, quando se revela inútil, não tem limites.

Bolsonaro classificou os manifestantes de "militantes". Tachou-os de "massa de manobra". Seu governo mal começou e já teve dois ministros da Educação. Ambos revelaram-se militantes do diretório da Virgínia, nos Estados Unidos. Submetido ao desastre Vélez Rodrigues o capitão trocou-o por Abraham Weintraub, um fiasco sem sotaque espanhol. A substituição do erro pelo equívoco fez de Bolsonaro um presidente de manobra. Quem puxa as cordinhas é Olavo de Carvalho.

Bolsonaro atribuiu o contingenciamento das verbas da educação (pode me chamar de corte) ao fato de ter herdado um "Brasil destruído economicamente, com baixa arrecadação." O capitão ainda não percebeu. Mas os 57 milhões de brasileiros que votaram nele fizeram isso para que ele resolva o problema, não para que passe quatro anos falando mal dos antecessores. Foi graças à ruína petista que o asfalto roncou pelo impeachment de Dilma Rousseff, abrindo espaço para a eleição do capitão.

Depois de acordar as ruas, Bolsonaro, inteligente a mais não poder, avaliou que seria uma boa ideia cutucar a multidão com o pé para ver se ela morde. Dilma fez a mesma coisa. E descobriu, da pior maneira possível, que a "idiotice útil", quando atiçada, não se limita a morder. Ela costuma engolir a genialidade inútil. Difícil aturar a incompetência. Quando ela vem acompanhada da arrogância aí mesmo é que se torna intolerável.

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.