PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Questão paroquial trava Previdência nos Estados

Josias de Souza

03/06/2019 19h16

Orçado na casa dos R$ 90 bilhões, o déficit previdenciário dos Estados é o argumento mais eloquente a favor da extensão da reforma da Previdência a todos os entes da federação. Entretanto, uma questão paroquial vem se sobrepondo às evidências financeiras. Deputados federais querem dividir o ônus da aprovação da reforma com deputados estaduais. Receiam ficar em desvantagem na disputa eleitoral de 2022 se tudo for resolvido em Brasília.

O receio é maior nas bancadas dos Estados mais pobres das regiões Norte e Nordeste. Nesses pedaços do mapa, o peso das aposentadorias na renda das famílias é grande. Vários governadores torcem pela reforma em privado. Mas se declaram contra as mudanças em entrevistas e pronunciamentos públicos. Os deputados federais acreditam que transferindo a encrenca para as assembleias legislativas, os governadores e seus aliados serão forçados a interromper o jogo duplo.

O relator Samuel Moreira (PSDB-SP) cogita manter no seu relatório a extensão da reforma para Estados e municípios. Mas a aprovação dependerá de muita conversa. Se você observa a cena com ar de enfado, convém prestar atenção ao desfecho. Por uma razão simples: se tudo der errado, o déficit previdenciário de R$ 90 bilhões dos Estados será encostado no Tesouro Nacional. Ou seja: a encrenca vai morrer no seu bolso.

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.