Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

No caso de Lula, semiaberto é nova humilhação

Josias de Souza

04/06/2019 20h02

A progressão de regime prisional seria um benefício para qualquer condenado, não para Lula. No caso do presidiário mais ilustre da Lava Jato, a migração da tranca para o semiaberto, na bica de acontecer, representará uma nova humilhação. Por coerência, Lula deveria recusar o refresco, pois declarou que não deixaria a prisão senão depois do reconhecimento de sua inocência. Sairá como um corrupto de terceira instância que já cumpriu um sexto de sua pena.

Foi esse o ponto de vista defendido pela subprocuradora Áurea Pierre em parecer enviado pelo Ministério Público Federal ao Superior Tribunal de Justiça. Lula puxava uma cadeia de 12 anos e um mês. Mas a pena foi reduzida para 8 anos e 10 meses. Por isso o relógio da progressão do regime foi adiantado.

Lula mandara dizer que não autorizaria seus advogados a pleitearem nada que não fosse a restauração de sua alegada ausência de culpa. Era, naturalmente, mais uma lorota. A defesa reivindica não o semiaberto, mas o regime aberto. Escora o pedido na alegação de que não há prisão capaz de assegurar a segurança do ex-presidente para sair e retornar diariamente.

"Não trocarei a minha liberdade pela minha dignidade", disse Lula à Folha e ao El Pais. Ao usufruir da progressão do regime, Lula trocará a conversa fiada pelo reconhecimento tácito da legitimidade da investigação, da denúncia, da ação penal, do julgamento e da sentença que o condenou.

"Não trocarei a minha liberdade pela minha dignidade", disse Lula à Folha e ao El Pais

TV Folha

Para complicar, é muito provável que Lula não consiga usufruir da nova condição por muito tempo. Vem aí a confirmação no TRF-4 da sentença condenatória referente ao caso do sítio de Atibaia

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.