Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Ao se oferecer a Bolsonaro, Dodge vira ex-Dodge

Josias de Souza

2007-06-20T19:19:00

07/06/2019 19h00

Para permanecer no cargo, Dodge se oferece a Bolsonaro. E vira a si mesma do avesso

UOL Notícias

O vídeo acima expõe trecho de entrevista concedida por Raquel Dodge ao blog em junho de 2017. Naquela ocasião, ela disputava com sete colegas uma vaga na lista tríplice que a corporação dos procuradores encaminharia ao então presidente Michel Temer. Referia-se à lista como uma "tradição". E afirmava que se o presidente escolhesse um nome de fora da lista, a Procuradoria seria chefiada por uma pessoa com a "credibilidade comprometida." Hoje, Dodge pensa o oposto.

A três meses do encerramento do seu mandato, Dodge assiste como mera espectadora à disputa pela formação da nova lista tríplice dos procuradores. Impopular entre os seus pares, ela preferiu não participar da eleição interna. Nesta sexta-feira, porém, admitiu em público o que vinha sussurrando em particular: deseja ser reconduzida ao cargo por Jair Bolsonaro.

À sua maneira, Dodge ofereceu seus préstimos ao presidente da República: "Eu estou à disposição, tanto da minha instituição quanto do país, para uma eventual recondução. Não sei se isso vai acontecer." Há dois anos, Dodge consideraria um oferecimento do gênero como um arranjo político-partidário.

Eis o que dizia a Raquel Dodge de 2017: "Sou uma dentre os inúmeros procuradores da República que confiam na lista [tríplice] como um instrumento que serve de biombo entre uma escolha meramente político-partidária e uma escolha de alguém que possa desempenhar com desenvoltura, com destemor, plenamente as atribuições deste cargo."

Perguntou-se a Dodge nesta sexta-feira se Bolsonaro não deveria observar a lista tríplice ao selecionar o próximo procurador-geral. E ela: "Esta é uma posição, é uma decisão do próprio presidente." De fato, a Constituição não obriga o presidente a se ater ao cardápio de nomes oferecido pela corporação. Entretanto, em 2017, Dodge acreditava que um procurador-geral escolhido à margem da lista seria um personagem sem credibilidade.

"Acho que já se tornou um costume constitucional a aceitação dessa lista", declarou a antiga Dodge. "E costume constitucional é uma tradição importante a ser seguida. […] Os procuradores oferecem essa lista exatamente para permitir uma escolha que, uma vez feita, contará com o apoio da instituição. […] Imagino que uma não aceitação desta lista despertará tantas desconfianças que certamente pode influir na credibilidade de quem venha a ser escolhido."

Como se vê, há uma nova Raquel Dodge na praça. Essa ex-Dodge já não se importa de ser mantida no cargo de procuradora-geral como uma opção "político-partidária" de Jair Bolsonaro. E dá de ombros para o risco de permanecer na poltrona como uma procuradora-geral rodeada de "desconfianças" capazes de "influir na credibilidade" de sua atuação.

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.