Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Só no dicionário e na cabeça de Bolsonaro a reeleição vem antes de trabalho

Josias de Souza

2007-07-20T19:04:58

07/07/2019 04h58

Todo presidente tem de ensopar o paletó, esfalfando-se durante quatro anos, para realizar uma boa administração. Com exceção, naturalmente, de Jair Bolsonaro, cujo governo já nasceu pronto. Neste sábado, o capitão foi à festa julina do Clube Naval, em Brasília. Aproveitou para fazer um comício. Considerando-se reeleito, declarou o seguinte: "Pegamos um país quebrado moral, ética e economicamente. Mas se Deus quiser nós conseguiremos entregá-lo muito melhor para quem nos suceder em 2026″.

Noutros tempos, os políticos evitavam escancarar seu desejo de poder. Dizia-se que a função pública era um suplício que não se postulava, para o qual os correligionários ou as massas convocavam. Há três meses, o próprio Bolsonaro disse, num discurso no Planalto: "…Não nasci para ser presidente, nasci para ser militar". Soou menos ambicioso: "Não me sobe à cabeça o fato de ser presidente. Eu me pergunto, eu olho pra Deus e falo: 'O que eu fiz para merecer isso?'"

De repente, alguma coisa subiu à cabeça do presidente. Para susto dos tecelões do Congresso, que temem colocar azeitona na empada de Bolsonaro ao aprovar a reforma da Previdência, o capitão transforma a reeleição no seu tema compulsivo. Agora, ele quer, sim, ser reeleito. Passou a adorar o emprego. No melhor estilo nunca antes na história desse país, jactou-se: "Não temos, graças a Deus, nenhuma acusação de corrupção. Aquilo que parece que estava fadado a fazer parte de nossa história ficou para trás."

Quem ouve o presidente fica com vontade de beber do mesmo quentão e viver no país que ele escolheu para si, seja onde for. Não é justo que o resto dos brasileiros tenha de permanecer num Brasil em que há meia dúzia de ministros suspeitos —um deles condenado por improbidade—, o laranjal do PSL, as encrencas do primogênito Flávio Bolsonaro e o cheque do ex-faz-tudo Fabrício Queiroz na conta da primeira-dama Michelle Bolsonaro.

O cérebro do político começa a funcionar na hora em que ele nasce. E só para no instante em que ele sobe no caixote. No comício do Clube Naval, Bolsonaro se absteve de levar em conta que o único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é o dicionário. Fora dele, um presidente capaz de produzir prosperidade econômica não precisa pleitear a reeleição, pois ela lhe cairá no colo. Do mesmo modo, um mandatário que não fabrica senão crises e incertezas tampouco precisa reivindicar a continuidade. Será perda de tempo.

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.