Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Falta a Bolsonaro política de rolagem de cabeças

Josias de Souza

02/09/2019 21h01

Dois assessores graduados do Ministério da Economia meteram-se numa contenda inusitada. De um lado, Carlos Costa, secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade. Na outra ponta, Luiz Augusto de Souza Ferreira, presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial. Bolsonaro meteu-se no bololô. Informou que uma cabeça descerá à bandeja, quiçá duas.

Carlos Costa achou que seria uma boa ideia dermitir Luiz Ferreira. Mas foi desobedecido. Pior: foi desafiado. Luiz, o demitido, disse à revista Veja que Carlos quer vê-lo pelas costas porque recusou-se a atender aos seus "pedidos não republicanos." Bolsonaro diz estar "louco para saber" o teor do pedido.

"Já entrei em contato com o Paulo Guedes. E quero saber que pedido é esse." Justo, muito justo, justíssimo. "Não pode ter uma acusação dessas. Vão dizer que ele ficou lá porque tem uma bomba debaixo do braço. Não é esse o meu governo. Já determinei para apurar. Um dos dois, ou os dois, perderão a cabeça".

Muito louvável a inquietação de Bolsonaro. Certos episódios não podem mesmo ficar sem esclarecimento. Mas falta ao governo uma política qualquer sobre a rolagem de cabeças.

Admita-se que a preocupação de Bolsonaro com os costumes de sua administração seja genuína. Neste caso, o presidente poderia abrir o inventário dos seus próprios erros com o fornecimento de algumas respostas:

1) Por que não desceu à bandeja a cabeça do ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente), condenado em primeira instância por improbidade administrativa?

2) Por que continua sobre o pescoço a cabeça do ministro Marcelo Álvaro Antonio (Turismo), encrencado em inquérito sobre o laranjal do PSL em Minas Gerais?

3) Se o propósito é a moralização, por que o auditor fiscal Roberto Leonel, xerife do ex-Coaf, teve o pescoço passado na lâmina se sua prioridade era zelar pela ética?

Torça-se para que Bolsonaro descubra rapidamente que pedidos contrários aos interesses da República Carlos Costa endereçou a Luiz Ferreira. Reze-se também para que o capitão consiga ajustar sua foice, pois um presidente que adia a degola de ministros sob suspeição e ceifa cabeças cujos miolos estavam voltados à preservação da moralidade acaba transformando a falta de critérios num processo de desmoralização do próprio governo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.