Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Duas visões da facada: o retrovisor e o para-brisa

Josias de Souza

06/09/2019 23h55

O aniversário de um ano do atentado a faca contra da Jair Bolsonaro é uma boa oportunidade para olhar a história pelo retrovisor e através do parabrisa. Primeiro, o retrovisor: muita gente diz que a facada elegeu o capitão. Isso reflete apenas parte da realidade.

Bolsonaro chegou ao Planalto empurrado sobretudo por três fatores. O primeiro foi um esforço pré-eleitoral do então deputado do baixo clero. Ele cortou o mapa do país num vaivém para o qual ninguém deu a devida atenção, inclusive a imprensa.

O segundo fator foi o trampolim oferecido pelo antipetismo, a maior força eleitoral de 2018. O terceiro foi a facada, que virou um evento da campanha.

O bombardeio dos rivais foi interrompido. Parte do eleitorado tornou-se solidário. E os oito segundos de propaganda televisiva de Bolsonaro viraram 24 horas de exposição gratuita.

A disputa foi marcada por uma ironia: os dois protagonistas participaram de fases decisivas da campanha como estrelas presas —Bolsonaro atado ao leito do hospital, recebendo os fluidos da Lava Jato, que estilhaçou o PT e todo o sistema político; Lula, na cadeia, tentando cacifar o petista Fernando Haddad. Deu no que está dando.

Agora, um rápido olhar pelo parabrisa. O veneno da superpolarização de 2018 invadiu o novo ciclo inaugurado em 2019.

Além de reerguer moral e economicamente o país, o novo presidente precisaria pacificar o Brasil. Mas Bolsonaro parece desperdiçar a sua hora. Deveria fornecer trabalho e resultados. Preferiu industrializar a raiva. O governo seria outro se o presidente retirasse a raiva do pudim.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.