Mais informação com menos tempo de leitura
Topo
Blog do Josias

Blog do Josias

Afora déficit fiscal, há déficit estético no governo

Josias de Souza

13/09/2019 02h09

O comportamento de Jair Bolsonaro não autoriza visões otimistas sobre o que se passa na Receita Federal, sobretudo no pedaço da Receita responsável pela fiscalização. Desde que assumiu, há oito meses e meio, Jair Bolsonaro ofereceu diversos sinais de antipatia objetiva e simpatia retórica à cruzada anticorrupção que ajudou a levá-lo ao trono. O país assiste a estranhos acontecimentos. Os penúltimos movimentos ocorrem nos subterrâneos da Receita.

Há três anos, quando o então senador Romero Jucá defendeu a costura de um pacto para "estancar a sangria", sua voz soou como ruído desesperado de alguém que não sabia que estava sendo gravado. Ao afirmar que o pacto deveria incluir o "Supremo", Jucá, notório personagem do MDB, parecia ecoar o apavoramento de investigados em apuros, incluindo os ex-sócios do PT. A sangria evoluiu para uma hemorragia na qual Bolsonaro surfou.

Agora, suprema ironia, Bolsonaro tenta atingir um sonho que nem os profissionais do MDB e do PT conseguiram realizar —o sonho de controlar os órgãos de controle. Ele já desossou o ex-Coaf, retirou um procurador-geral do bolso do colete, cavalga a Polícia Federal e está prestes a instalar barricadas na Receita Federal. Ainda que consiga colocar em pé uma operação Abafa a Jato, Bolsonaro não conseguirá eliminar os fatos:

Para citar apenas os fatos mais desagradáveis, há a movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta do faz-tudo Fabrício Queiroz; os R$ 24 mil repassados à primeira-dama Michelle Bolsonaro; o empréstimo de R$ 40 mil que Jair Bolsonaro diz ter feito ao Queiroz; os assessores do gabinete do primogênito Flávio Bolsonaro gotejando parte dos salários na conta tóxica de Queiroz; os depósitos fracionados, em dinheiro vivo, feitos pelo Zero Um.

Há em Brasília um déficit estético que transforma Bolsonaro numa espécie de São Jorge que abandonou o plano de salvar a donzela para casar com o dragão.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na ''Folha de S.Paulo'' (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro ''A História Real'' (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de ''Os Papéis Secretos do Exército''.

Sobre o blog

A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários.